Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

100% de eficácia na primeira intervenção marcaram reunião da Comissão de Defesa da Floresta

A Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios reuniu, dia 18 de janeiro, num encontro onde foi comunicado que o concelho registou um total de 8,8 hectares de área ardida, sendo de salientar a taxa de 100% de eficácia na primeira intervenção, quer por parte dos Bombeiros Voluntários, quer dos Sapadores Florestais. 

-PUB-

As campanhas de divulgação previstas para este ano de 2019 foram também abordadas nesta sessão visto que, são um ponto fundamental para a prevenção e controlo de comportamentos de risco e por isso a autarquia vai continuar, à semelhança do ano anterior com ações que cheguem diretamente à população, nomeadamente, através da impressão, no verso das faturas da água, de informação relativa a limpezas de matos junto às habitações e também informação relativa ao período crítico. A distribuição de flyers nas feiras mensais, a radiodifusão de informações e as publicações nos canais de comunicação do município, estão também previstas. 

Recorde-se que a autarquia executou, em 2018, através de ajustes diretos, delegação de competências nas juntas de freguesia e por meios próprios, 55,53 hectares de faixas de gestão de combustível da rede secundária, o que representou um investimento de cerca de 60 mil euros. 

A Comissão Municipal de Defesa da Floresta é constituída pelo Presidente da Câmara que tutela a Proteção Civil e o Gabinete Técnico Florestal, por um representante do ICNF, da GNR e dos Bombeiros Voluntários e ainda os seis presidentes das Juntas de Freguesia e um representante dos Conselhos Diretivos. Integram ainda esta Comissão um representante das Infraestruturas de Portugal, da EDP e do IMT – Instituto da Mobilidade e dos Transportes, I.P. 

 

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.