Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021

2 500 euros por garrafa de Vinho do Porto

Os vinhedos da Presegueda, freguesia de Vilarinho dos Freires, deram origem a este fantástico Porto, contido em dois cascos, que mais tarde foi vendido por uma família, desta aldeia, à Casa Taylors. Agora, o preço indicativo será o mais caro de sempre pedido por uma garrafa de Vinho do Porto. Ou seja, quem quiser ter o privilégio de saborear um néctar do séc. XIX, produzido na região demarcada do Douro, terá de pagar dois mil e quinhentos euros por esta raridade da Casa Taylor’s.

-PUB-

Segundo a empresa, o “vinho pertencia a uma distinta família do Douro, que o mantinha como reserva privada, com a excepção de um casco que dizem ter sido adquirido por Winston Churchill”. Porém, em 2008, David Guimaraens, enólogo da Taylor’s, provou o vinho e reparou nas extraordinárias qualidades do precioso néctar. No ano seguinte, o único descendente directo da família morreu sem deixar filhos e os herdeiros decidiram vender o vinho.

A Taylor’s partiu para a compra do vinho, depois de constatar que as quinze décadas de envelhecimento em madeira tinham “concentrado e conferido uma complexidade mágica ao néctar”. De imediato, e empresa reconheceu a qualidade absolutamente notável deste vinho e a sua importância histórica, “decidindo não o lotar mas sim lançá-lo como um vinho de colecção”, garantiu Adrian Bridge, director-geral da Taylor’s.

Embalado em caixa luxuosa, com uma produção de 1400 garrafas, a denominação comercial é “Taylor’s Scion” e deverá ser dos poucos vinhos “pré-filoxéricos” do mundo.

David Guimaraens definiu organolepticamente com “sabores a melaço, café torrado, denso e fim de boca interminável”. Ao fim deste tempo, a sua frescura e acidez surpreendeu o enólogo.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.