Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

A vinha e o rebanho falam a mesma linguagem

Na linguagem bíblica, a vinha e o rebanho andam juntos para falar do mistério da Igreja. Tanto a cepa como o pastor são metáforas expressivas do mistério do reino de Deus, do empenho pessoal, da nossa união com Jesus Cristo.   Assim iniciou a sua reflexão em Castedo do Douro o senhor Bispo na Eucaristia […]

Na linguagem bíblica, a vinha e o rebanho andam juntos para falar do mistério da Igreja. Tanto a cepa como o pastor são metáforas expressivas do mistério do reino de Deus, do empenho pessoal, da nossa união com Jesus Cristo.

 

Assim iniciou a sua reflexão em Castedo do Douro o senhor Bispo na Eucaristia que celebrou no Domingo passado.

Castedo do Douro é uma paróquia de Alijó situada na parte sul e poente do concelho, a 6 Km da sede da vila. É constituída por uma só povoação rodeada de vinhas por todos os lados, à maneira de uma ilha num mar de mosto. Até apetece aproximar esse nome, «Castedo», do jardim de castas que a envolve.

Tinha no último censo 150 famílias com cerca de 500 almas. Ainda ali funciona uma escola básica e uma creche. Nos últimos cinco anos celebraram-se 30 baptismos, 32 óbitos e 17 casamentos, números que o prelado comentou. A igreja paroquial não é grande, mas está bem conservada.

Os fiéis receberam o senhor Bispo num largo próximo da igreja, com os sinais festivos da época.

Na homilia do Domingo do Bom Pastor, o prelado lembrou as muitas parábolas que Jesus utilizou para falar do mistério da Igreja, desde a rede da pesca à casa em construção, da vinha ao rebanho. Aqui é mais expressiva a da vinha, mas conheceis bem a do rebanho e do pastor. De facto, na apresentação dos dons, ao lado do vinho um jovem trouxe ao altar um cordeiro. Na linguagem bíblica, são estas as duas metáforas que mais vos dizem. Ambas, a cepa e os rebentos, o pastor e os cordeiros, são metáforas expressivas do mistério da vida cristã, do afecto, do brio e empenho pessoal, da união com Jesus Cristo. Ninguém fala da sua vinha nem do seu rebanho sem afecto nem trabalho, sem sonho e sem empenho. Sabeis perfeitamente quanto trabalho exige uma vinha e um rebanho para terem vida e qualidade. Por isso percebeis bem o alcance das palavras de Jesus em despertar no coração de alguns homens o desejo de servirem a Igreja. É também claro que não há rebanho sem pastores, não há Igreja sem padres. Despertar vocações para o sacerdócio é ser realista, é cuidar do futuro.

Dirigindo-se aos jovens crismandos, lembrou que o Crisma, «mais que um meio para ser padrinho ou madrinha, desperta para a vida adulta, matrimónio ou vida de padre, e não há vida adulta sem trabalho sério. Tudo o que seja facilidade é falso e leva ao desencanto. A força do Crisma não pára na juventude, mas prolonga-se por toda a vida».

Frequentam o Seminário da diocese, dois jovens paroquianos e é também dali natural um padre ainda novo que foi missionário em Moçambique e trabalha actualmente no Barroso, terra de pastores.

No final, demorou-se com os catequistas e com a Fabriqueira da paróquia a falar de algumas obras na paróquia.

Foram crismados 23 jovens e um adulto.

É pároco o P. José Pereira Pinto de Castro, a residir em Favaios.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.