Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022

ACISAT promove comércio local da região

Sob o mote “neste Natal, e todo o ano, compre no comércio local”, a ACISAT apela aos habitantes do Alto Tâmega que optem pelos estabelecimentos comerciais da região na hora de adquirir produtos ou serviços

-PUB-

Em linha com a política adotada pela ACISAT – Associação Empresarial do Alto Tâmega no que à influência sobre a opinião pública diz respeito, a campanha de Natal deste ano pretende, de uma forma particular, dar ênfase à necessidade de “se estar atento àquilo que efetivamente existe na nossa região”. 

Em declarações à VTM, Vítor Pimentel, presidente da direção da ACISAT, destacou a urgência em “dar prioridade ao comércio local. Se nos focarmos um bocadinho na região e, por exemplo, no caso concreto de Chaves, tudo aquilo que podemos encontrar numa superfície comercial ou num ‘shopping’ no Porto, em Braga ou, até mesmo, em Vila Real, conseguimos encontrar, também, no comércio local e nas ruas flavienses”.

Vítor Pimentel reiterou, ainda, a importância de “criar hábitos de compra de proximidade, porque quando o fazemos estamos a ajudar os empresários da nossa região, aqueles que criam empresas e, ao mesmo tempo, de uma forma indireta, estamos a combater a desertificação existente”.

Neste sentido, e em linha com os anos anteriores, com o aproximar da quadra natalícia, através das redes sociais, “quisemos passar uma mensagem de esperança”, cujo vídeo “começa, precisamente, com negócios fechados ou em fase de trespasse”. Segundo o presidente, “só a atitude dos habitantes da nossa região pode ajudar a mudar esta realidade e a renovar um bocadinho os negócios, para voltarmos a ser aquilo que éramos”.

 “O combate à pandemia económica é aquele que mais nos preocupa, a nós e a todos os empresários”
Vítor Pimentel, Presidente ACISAT 

CAMPANHA DE NATAL

Ainda que sem certezas, devido à evolução da pandemia, Vítor Pimentel avançou que “este ano temos algumas atividades previstas, que ainda não foram anunciadas. A nossa tentativa será, sempre, promover o comércio local. Garantidamente vamos ter o concurso de montras, porque embeleza a cidade e faz com que as pessoas se desloquem ao comércio para as ver”, além de que “quando nos deslocamos, a probabilidade de comprar aumenta”.

A ACISAT irá apostar, ainda, “no embelezar das ruas”, a par “de algumas atividades, de cariz social, preparadas em conjunto com outras instituições”, que dependem de “pareceres” para serem realizadas.

À semelhança das iniciativas de anos anteriores, “cuja verba angariada foi entregue a uma associação do Alto Tâmega”, este ano, “tudo indica que teremos a possibilidade de ter algo semelhante que, não só nos possibilitará aproximar as pessoas do comércio, como dar-lhes uma oferta e, ao mesmo tempo, ter a vertente social, através de uma associação humanitária”.

Optando por “não criar falsas expectativas” num tempo que, segundo o próprio, ainda é de incertezas, Vítor Pimentel adiantou, por agora, que “se nos limitarem o contacto físico, será muito difícil fazer alguma coisa. Não nos podemos comprometer com nada neste momento”. 

Certo é que “temos de nos ajustar à realidade e estar preparados para planos A e B. Veremos aquilo que é possível fazer, sendo certo que o combate à pandemia começa em cada um de nós e na responsabilidade que temos enquanto indivíduos. O combate à pandemia económica é aquele que mais nos preocupa, a nós e a todos os empresários, porque já lá vai muito tempo (de pandemia), com respostas demoradas, confusas e burocráticas”.

De acordo com Vítor Pimentel, este combate “depende de cada um de nós. Passa por percebemos o nosso papel nesta realidade. Eu sei que somos muito influenciados pela compra ‘online’. É preciso apelar à população que, apesar de todos os dias sermos bombardeados pelas marcas com promoções, tentem verificar se essas existem, também, nos ‘franchisings’ da nossa terra”.

Estes são “geridos por empresários da região e os funcionários da nossa terra têm ali o seu posto de trabalho”. Numa quadra que, por tradição, apela ao consumismo, “a ideia é que o dinheiro fique na região. Devemos sobretudo defender o que é nosso. Esta é a mensagem principal da campanha”, rematou Vítor Pimentel.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.