Sábado, 16 de Outubro de 2021

António Rodrigues, um transmontano de “raça”

O transmontano, António Rodrigues, foi autor de mais uma fantástica prova, no Rali de Barcelos, onde uma quebra do parafuso do apoio da caixa o fez perder uns preciosos 20 segundos no último troço da manhã, que o fez descer de 3º para o 5º lugar da classificação geral e consequentemente um possível lugar no pódio final.

-PUB-

Nesta prova que teve a participação recorde de 100 participantes, o grande destaque vai para António Rodrigues/Jorge Carvalho. O piloto de Murça voltou a “abrir o livro” e mostrou toda a sua “raça”, fazendo uma exibição notável com o Citroen Saxo 16V, rodando desde o 1º troço na terceira posição, acompanhando de muito perto os primos Peres, até à altura em que se viu confrontado com um problema no apoio da caixa de velocidades. Com isto foi obrigado fazer o último troço da manhã, com todas as precauções e com andamento abaixo das suas possibilidades para conseguir levar o carro até à assistência e assim procederem à reparação da avaria.

Mais uma vez, a SFR Motorsport fez um trabalho exemplar em tempo recorde, colocando novamente o carro nas devidas condições, para permitir ao jovem piloto de Murça atacar na etapa da tarde e, assim, poder recuperar o tempo perdido. Com os troços completamente secos e demasiado rápidos (todos com médias superioras a 100 km/h) nitidamente mais favoráveis aos carros 4×4 de maior potência, tornou impossível essa tarefa, apesar do ritmo “diabólico” imposto pela jovem equipa, como o demonstra o 2º tempo na 6ª PEC, mas não foi suficiente para recuperarem o 3º ou mesmo o 2º lugar.

Com esta classificação, António Rodrigues/Jorge Carvalho reforçam a sua liderança quer no Campeonato absoluto, agora com 12 pontos de vantagem para o 2º classificado, quer no Campeonato da Categoria 1 (2 rodas motrizes), perfilando-se como um sério candidato à conquista dos dois títulos nacionais.

“O quinto lugar na geral e o 1º das duas rodas motrizes foi um bom resultado face à forte concorrência, mas saímos deste rali com a sensação de que poderíamos ter terminado melhor classificados não fosse um problema mecânico a atrasar-nos. Nos dois primeiros troços, estávamos em 3º da geral atrás dos primos Peres e é no decorrer do 2º troço que o apoio da caixa de velocidades partiu. Isso limitou muito o nosso andamento no troço seguinte, tivemos que ter muitas precauções para não desistirmos, tivemos que prender a caixa através de uma cinta e segurá-la ao chassi fazendo assim o último troço da manhã, o que nos fez perder largo segundos e cairmos na classificação para a 5ª posição. Da parte da tarde, já com os troços secos, imprimimos um ritmo forte, mas sabíamos que era muito difícil recuperáramos os segundos perdidos da parte da manhã. O importante é que conseguimos reforçar a nossa liderança no Campeonato.

O meu maior receio, é não conseguir os apoios necessários em falta para poder defender esta honrosa classificação e poder assim dar uma grande alegria aos transmontanos, com a obtenção dos dois títulos Nacionais em disputa e estão ao nosso alcance. A nossa prioridade, agora, é prepararmos bem a próxima prova que é o rali Rota de Medronho, dia 12 e 13 de Março”, referiu António Rodrigues.

 

Pilotos de Vila Real

com pouca sorte

Vila Real esteve representada com três equipas, Alberto Cabral/Fernando Vaz, em Mitsubischi EVO VII, André Martins/Ricardo Torres, em Citroen Saxo 16v, e Ivan Carquejo/Valter Cardoso, em Peugeot 206 Gti, participante no Desafio MODELSTAND.

Autor de uma prova de muito bom nível, tendo em atenção a sua pouca experiência em ralis e mesmo do conhecimento do carro, Alberto Cabral estava a exceder as melhores expectativas ao ocupar a partir do 2º troço a 6ª posição da geral, lugar que decerto alcançaria no final, não fora a quebra de uma transmissão do seu Mitsubischi no penúltimo troço, quando faltava cerca de 500 metros para o seu final, obrigando à desistência e privando a equipa de alcançar uma meritória classificação.

André Martins teve melhor sorte e fez uma prova inteligente, sabendo poupar o carro e livrar-se de qualquer percalço, classificou-se no 15º lugar da geral e em 8º da Categoria 1.

Pior sorte teve Ivan Carquejo, fazendo a sua estreia no competitivo Desafio MODELSTAND, não conseguiu evitar um acidente logo no 1º troço do rali, quando decorridos poucos quilómetros, possivelmente “vítima” do estado do piso bastante húmido e escorregadio. Felizmente, a equipa não teve danos físicos.

 

Classificação final:

Rali de Barcelos

1º Pedro Peres / Tiago Ferreira – Mitsubishi Lancer Evo VII 38m07,1

2º Renato Pita / Marco Macedo – Mitsubishi Lancer Evo VI a 57,1s

3º Daniel Nunes / Carlos Ramiro – Mitsubishi Lancer Evo VI a 1m05,8s

4º Fernando Peres / J. Pedro Silva – Ford Escort Cosworth a 1m13,0s

5º António Rodrigues / Jorge Carvalho – Citroen Saxo a 1m19,8s 1º da Categoria 1)

……..15º André Martins/Ricardo Torres – Citroen Saxo 16v a 4m16,5

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.