Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2024
No menu items!

“Após recuperação da crise pandémica, a carga fiscal cresceu ainda mais (10,0%)”

2022 foi um ano marcado pelo início de uma guerra no espaço europeu.

-PUB-

2022 foi um ano marcado pelo início de uma guerra no espaço europeu, uma elevada inflação e, consequentemente, medidas governamentais e dos bancos centrais que têm tendo mitigar estes impactos (como o aumento das taxas de juro; nem sempre com muito sucesso).

O montante da carga fiscal cresceu mais do triplo do Produto Interno Bruto (PIB) e do salário médio bruto em Portugal, desde 2010. Em pouco mais de uma década, em termos reais, enquanto que o PIB apenas cresceu 10% e o salário médio bruto apenas 8%, a carga fiscal cresceu 32%.

Normalizando os 3 indicadores com 2010=100, facilmente se percebe o crescimento muito mais rápido da carga fiscal relativamente ao PIB e rendimentos. A análise também permite verificar que o diferencial entre a carga fiscal e os restantes 2 indicadores tem crescido progressivamente (apenas em 3 anos o PIB cresceu mais do que a carga fiscal) mas que há 2 períodos em que a carga fiscal cresceu a um ritmo muito mais elevado do que o PIB e os salários. Entre 2011 e 2013, período marcado pela grave crise económica que levou à intervenção da Troika (em parte desse período PIB, em maior escala, e carga fiscal e rendimentos, em menor escala, estiveram em queda), e em 2022.

No último ano, apesar do elevado crescimento do PIB (6,7% em termos reais), após recuperação da crise pandémica, a carga fiscal cresceu ainda mais (10,0%) e o rendimento médio líquido não aumentou. Consequentemente, a carga fiscal em percentagem do PIB aumentou para 36,4% em 2022 (35,3% no ano anterior). Trata-se da maior carga fiscal em percentagem do PIB desde que há registos.

Os números demonstram que o contexto económico atual não tem afetado todos por igual. Os portugueses viram o seu poder de compra estagnado ou reduzido em 2022, enquanto o Estado arrecadou um valor recorde de receita fiscal.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.