Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Aposta na gastronomia deixa município mais doce

Depois de inventado o “Penaguiota” agora nasce a “Castanha de Santa Marta”, um novo bolo pensado para valorizar a fileira da castanha no concelho e que pretende colaborar no objetivo de “agarrar” os turistas também “pela barriga”

-PUB-

O Município de Santa Marta de Penaguião registou um novo doce, um bolo feito à base de castanhas e com um toque de vinho do Porto, produzido de forma artesanal e que, chamado “Castanha de Santa Marta”, está agora disponível na Loja Interativa de Turismo local.

“O doce foi um desafio que lançamos a uma produtora no sentido de valorizarmos a nossa castanha. Temos a região da serra do Marão com uma produção já razoável e a forma de lhe dar visibilidade é fazer um doce que a promova”, explicou o presidente da Câmara Municipal de Santa Marta, Luís Machado.

Segundo o mesmo autarca, a ideia de registar a marca, um processo que está a ser feito paralelemente com muitos outros produtos, visa proteger as inovações gastronómicas, e não só, que estão a ser feitas no concelho, mas também garantir a qualidade do processo de fabricação ao longo do tempo. “Não podemos descurar a qualidade e a competência. Temos que ser cada dia mais competentes para que os turistas voltem e recomendem Santa Marta”, frisou.

“É preciso inovar todos os dias e em todas as áreas, mas principalmente na gastronomia, porque já todos sabemos que os turistas procuram muito a boa comida e o vinho, que felizmente temos e muito bom”, defendeu Luís Machado reforçando que só “através da qualidade” se “consegue fidelizar os turistas”.

A “Castanha de Santa Marta” é um bolo feito com uma base de massa folhada e recheado com doce caseiro de castanha e um toque de vinho do Porto, num processo de produção todo feito artesanalmente, explicou Maria do Céu Pires, dona das mãos que inventaram a receita.

Trabalhando há mais de 20 anos na produção de doces, a empresária, que vive no Peso da Régua mas tem “uma forte ligação” à Santa Marta de Penaguião, explicou que inventa todas as suas receitas, tendo sempre como matéria-prima “produtos muito característicos da região”. “Fiz primeiro os Penaguiotas, depois as ‘Castanhas de Santa Marta’”, revelou a doceira explicando que aceitou prontamente o desafio do município para dedicar mais uma doce ao concelho.

“Autora” ainda de receitas de doces como as “Ferreirinhas” e as “Régulas”, dedicadas ao concelho do Peso da Régua, entre outras doçuras caseiras, as inovações da pastelaria “Doces da Céu” são sempre acompanhados por um “poema alusivo à região e ao produto”.

No caso dos doces dedicados ao município penaguiense, estes podem ser saboreados na loja de turismo local, podendo ser feitas encomendas diretamente à fábrica artesanal “Doces da Céu”, que fica localizada no Peso da Régua.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.