Terça-feira, 6 de Dezembro de 2022
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Ascenso Simões confirmou reforço, mas ainda não avançou números

No dia em que 36 elementos do SEPNA de Vila Real passaram, oficialmente, para a sua nova sede, no Parque Florestal, Ascenso Simões confirmou o reforço distrital da GNR, sendo de realçar que, já no próximo mês, deverá ser conhecido o número de militares que serão mobilizados, para o comando vila-realense.   “Nos próximos dias, […]

PUB

No dia em que 36 elementos do SEPNA de Vila Real passaram, oficialmente, para a sua nova sede, no Parque Florestal, Ascenso Simões confirmou o reforço distrital da GNR, sendo de realçar que, já no próximo mês, deverá ser conhecido o número de militares que serão mobilizados, para o comando vila-realense.

 

“Nos próximos dias, serão conhecidas novidades, no que diz respeito à reestruturação das forças de segurança”, adiantou Ascenso Simões, Secretário de Estado da Administração Interna, revelando, apenas, que o reforço da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Vila Real vai ser uma realidade. A confirmação do aumento de efectivos foi confirmada, no dia 21, durante a inauguração da nova sede do Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA).

O plano “Portugal em Segurança”, da responsabilidade do Ministério da Administração Interna, apresentado no início de Março, trouxe “um novo conceito de Segurança Interna”, através de uma reforma das forças de segurança que levou à eliminação das Brigadas Territoriais da GNR e à “afectação integral dos recursos da Brigada de Trânsito e da Brigada Fiscal, nos Grupos Territoriais”, opções que representarão um incremento do número de militares, sobretudo nos distritos do interior do país. Embora ainda não haja números concretos, Vila Real também vai ser um dos beneficiados com a reorganização de recursos, segundo confirmou Ascenso Simões, explicando que “ainda está a ser preparada a proposta de reorganização, pelo Comando Geral da GNR”.

O membro do Governo sublinhou, também, a entrada de civis para os serviços administrativos da GNR, o que vai permitir a transferência de mais guardas para a acção operacional.

O aumento dos recursos humanos da GNR de Vila Real poderá vir a ser responsável pela ampliação das instalações daquela força de segurança que, sedeada, desde 1950, no antigo Convento de São Francisco, já viu um dos seus serviços ser deslocalizado para uma das “Casas de Função” da Direcção Regional de Recursos Florestais (DCRF), situada no coração do Parque Florestal.

“O Comando tornou-se exíguo, para as valências que foram emergindo, no seio da GNR”, lembrou o Tenente-Coronel Fernandes, Comandante vila-realense, sublinhando que, para além de trazer melhores condições, para aquele serviço, a mudança do SEPNA representou, ainda, a recuperação de um edifício que é Património do Estado, o regresso da segurança ao Parque Florestal e a criação de um espaço de informação e formação ambientais, para toda a população.

Depois de mais de uma década votada ao abandono, a “Casa de Função número um” foi recuperada, graças a um esforço conjunto de várias entidades, entre as quais a Câmara Municipal, o Governo Civil, a DGRF e a própria GNR.

O Secretário de Estado sublinhou a importância do SEPNA, como pilar fundamental no combate aos incêndios florestais, mais exactamente através das suas funções de fiscalização, sensibilização e vigilância.

“Portugal sem fogos depende de todos nós. Neste esforço de pedagogia, o papel do SEPNA é fundamental” – concluiu o Secretário de Estado.

No final da cerimónia de inauguração da nova sede, Ascenso Simões foi convidado a devolver à Natureza uma águia-de-asa-redonda que, em Novembro do ano passado, foi recuperada, pelo SEPNA, tendo, depois, recebido tratamento no Hospital Veterinário da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

 

Maria Meireles

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.