Segunda-feira, 4 de Julho de 2022

Autarquia envolveu toda a comunidade no Plantar Portugal

Terminaram, na segunda-feira, as ações desenvolvidas pelo Município de Mondim de Basto no âmbito do movimento Plantar Portugal. 

Através do Gabinete Técnico Florestal e com o apoio do ICNF e das Unidades de Gestão de Baldios do concelho, a autarquia de Mondim de Basto envolveu toda a comunidade no plano de reflorestação nacional desenvolvido pelo movimento Plantar Portugal.

Houve uma sessão de esclarecimento sobre “A importância das folhosas na Floresta”, que contou com a intervenção de João Soveral, da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e também de Pedro Gomes, do Secretariado de Baldios de Trás-os-Montes e Alto Douro (SBTMAD).

As equipas de sapadores florestais do concelho realizaram uma plantação de espécies autóctones no lugar da Nabiça, freguesia de Vilar de Ferreiros. Nesta ação foram plantadas cerca de mil árvores, num terreno afetado pelos incêndios há cerca de três anos. Uma iniciativa que mereceu destaque numa reportagem desenvolvida pelo Porto Canal.

Na segunda-feira, os alunos do Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto participaram numa plantação de carvalhos e sobreiros, no Monte de Paradela.

O Município de Mondim de Basto tem uma boa parte do seu território ocupado por Floresta, sendo o pinheiro bravo a espécie dominante. As espécies autóctones de folhosas são mais resilientes ao fogo, diminuindo o risco e a propagação dos incêndios, e beneficiam muito a paisagem pela diversidade e tonalidade da folhagem. 

Conciliar uma floresta produtiva com uma floresta mais resiliente, uma floresta que projeta a biodiversidade com uma floresta que pinte melhor a paisagem deste território que também está virado para o Turismo, são os objetivos destas ações desenvolvidas pela autarquia.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.