Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021
©Arquivo VTM

Autarquia pede mais fiscalização à GNR para evitar furto de castanha

A Câmara de Valpaços pediu hoje à GNR um reforço da fiscalização para prevenir furtos de castanhas durante a época da apanha, que têm preocupado os produtores do concelho.

-PUB-

O presidente da Câmara de Valpaços, Amílcar Almeida, reuniu hoje com responsáveis de associações ligadas ao setor da castanha, nomeadamente a Agrifuturo e a Associação Regional dos Agricultores das Terras de Montenegro (ARATM), e os comandantes da GNR de Valpaços e Carrazedo de Montenegro para “delinear estratégias” para a campanha que se está a iniciar.

Citado num comunicado divulgado pelo município do distrito de Vila Real, o autarca reforçou “o apelo à GNR para que haja mais fiscalização e assim se evitem furtos de castanha durante a campanha deste ano”.

“É preocupante para todos, mas principalmente para os produtores que trabalham ao longo de todo o ano, vivem da castanha, e depois ficam sem boa parte do rendimento”, afirmou Amílcar Almeida.

A câmara explicou que o assunto “foi abordado agora, em reunião, para que este ano possa haver uma intervenção mais próxima do agricultor”.

Contactado pela agência Lusa, o Comando Territorial da GNR de Vila Real informou que, no distrito de Vila Real, foram registadas uma ocorrência de furto de castanha em 2019 e uma ocorrência em 2020.

No entanto, apesar do “número reduzido de ocorrências registadas, a GNR disse que mantém no âmbito da operação “Campo Seguro” ações de patrulhamento, direcionadas especificamente para a temática em questão, intensificando o patrulhamento nas áreas de maior concentração de soutos e armazéns.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.