Terça-feira, 19 de Outubro de 2021

Armando Moreira

MIRADOURO Ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes
257 Artigos de opinião

“Fique em casa”

Conta a história que Plínio, um General do Exército Romano, empenhado nas campanhas de domínio do sul da Europa, aí pelo século I A.C, terá comentado que lá para o Ocidente (de Roma), havia uns povos – os Lusitanos, que não se governavam, nem se deixavam governar. Terá sido o guião que transmitiu às Legiões Romanas que demandaram a Península Ibérica e que por cá se mantiveram durante vários séculos.

Dois temas: Eutanásia e Presidenciais

A Assembleia da República votará brevemente um diploma sobre a Eutanásia – a despenalização da morte assistida. Dito de uma maneira mais clara: uma lei que permitirá que um doente possa pedir a antecipação da própria morte.

Alertas

A Conferência Episcopal Portuguesa, numa nota divulgada a 01 de janeiro, alertou para o que no seu entender é um escândalo: a solidão e o abandono dos idosos, particularmente os afetados pelo vírus Sars-cov-2, afirmando que os lares devem ser profundamente repensados, tanto no que se refere ao equilíbrio do seu funcionamento e gestão, como na diferenciação dos serviços ali prestados e à articulação com as respetivas famílias

A Europa e Nós

Neste ano de pandemia, cabe a Portugal a Presidência da União Europeia, o que obriga o Governo a um duplo esforço: orientar e executar o programa que terá traçado para este difícil exercício e a tarefa, quase impossível, de debelar e controlar os efeitos de um vírus que parece cada vez mais assanhado em se expandir.

Zé Aguilar

Logo depois do dia de Natal chegou-nos a notícia do teu falecimento.

O Botão de Pânico

Desconhecíamos que existia em algumas instalações públicas um Botão de Pânico, para o qual o insólito episódio no aeroporto de Lisboa nos veio alertar. Do que ali se passou naquele fatídico dia 12 de março passado, já abundantemente se falou.

TAP: precisamos de uma companhia de bandeira?

A TAP é bem um exemplo de um país a duas velocidades. Enquanto setores da nossa economia, como o do turismo, sofrem irremediavelmente as consequências de uma pandemia, que impede as pessoas de circularem livremente, arrastando consigo a restauração e o pequeno comércio, em todo o país (e no mundo em geral), sem amparos que se vejam, ou políticas de suporte ao período de crise que se possam considerar, esta nossa empresa de aviação consegue obter ajudas extraordinárias.
 

Natal. Que Natal?

Natal é sempre que o homem quiser.

Há vida para além da pandemia

Começa a ser claro, que os efeitos desta crise sanitária, que se vive em todo o mundo, se irão refletir de forma difícil de antecipar.

Assim, não!

Chamou-nos à atenção, uma nota que Judite de Sousa, jornalista bem conhecida, deixou num dos semanários deste fim de semana.

Na Retranca

Não há como estar na retranca, como opinava há dias um colunista do jornal Público, a propósito desta época que estamos a viver.

Bom Senso Político

Esta pandemia, que continua em crescendo, aconselha o confinamento a todos os que o possam fazer, abrindo oportunidades de lazer, que de outra forma, nem nos ocorreriam.