Sábado, 21 de Maio de 2022

BE quer criar uma rede nacional de cuidados

De passagem por Vila Real, a deputada do Bloco de Esquerda (BE), Mariana Mortágua, garantiu que esta é uma medida para ir para frente e não falada apenas por causa das eleições.

O pequeno auditório do Teatro de Vila Real foi palco de uma sessão pública do BE, que contou com a presença da candidata pelo círculo de Vila Real às legislativas, Enara Teixeira, e da deputada Mariana Mortágua.

Da saúde, à economia, passando pela taxa de natalidade e pela ferrovia foram alguns dos temas em cima da mesa. Pelo meio, algumas críticas ao governo.

“Para dar resposta a necessidades que consideramos essenciais defendemos uma rede nacional de cuidados. Esta é uma das propostas mais importantes do nosso programa”, afirmou Mariana Mortágua, acrescentando que “é para ir para a frente”.

A bloquista lembrou que “no último orçamento de Estado que aprovámos ao Partido Socialista estavam previstos 30 milhões para cuidadores informais, foram executados 800 mil euros.

Mariana Mortágua dá ainda como exemplo as creches. “Fala-se muito da taxa de natalidade em Portugal, mas se não há resposta no setor público. É triste, mas pagar uma creche no privado fica mais caro que pagar a universidade”, daí ser importante “combater a vampirização do privado das necessidades mais básicas”.

Quanto ao plano ferroviário, “também está no nosso programa e é uma das prioridades”.

Neste seguimento, Enara Teixeira, candidata do Bloco pelo círculo de Vila Real, elencou algumas das carências do distrito, que passam “falta de médicos de família, pela falta de transportes públicos para todos, a falta de mão de obra e uma política de habitação capaz de fixar pessoas no interior”.

Por fim, Enara Teixeira apelou ao voto, referindo que “nós sabemos das necessidades da região e sabemos como resolvê-las, mas para isso é preciso que as pessoas vão votar e votar no Bloco de Esquerda é votar para que se faça a diferença”.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.