Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

Chuva causou atrasos e desmobilizou público, mas não estragou espectáculo

O tempo que se fez sentir, no último fim-de-semana, com fortes ventos e chuva, atrapalhou a organização de mais uma edição da Rampa Porca de Murça. No entanto, a nível desportivo, o balanço foi “positivo”. “No Sábado, o vento acabou por levar as tendas e tivemos que deixar as verificações técnicas de alguns pilotos para […]

O tempo que se fez sentir, no último fim-de-semana, com fortes ventos e chuva, atrapalhou a organização de mais uma edição da Rampa Porca de Murça. No entanto, a nível desportivo, o balanço foi “positivo”.

“No Sábado, o vento acabou por levar as tendas e tivemos que deixar as verificações técnicas de alguns pilotos para a manhã de Domingo”, explicou Jorge Fonseca, Presidente do Clube Automóvel de Vila Real (CAVR), adiantando que também a chuva que se fez sentir, no Domingo, obrigou a alguns atrasos na competição que, mais uma vez, contou para o Campeonato Nacional de Montanha. Depois da chuvada da manhã do segundo dia de prova, à tarde o tempo colaborou com o CAVR, com as restantes subidas a disputar-se em piso seco.

Apesar das dificuldades sentidas pela organização, a nível desportivo, as já “famosas curvas” de Murça contaram com um “bom nível competitivo”, sendo de realçar a vitória de Pedro Salvador e, ainda, o 5.º lugar do piloto murcense, Joaquim Teixeira.

“A chuva não me afectou, em nada, porque, devido a um problema no extintor, acabei por não fazer a primeira subida dos treinos livres”, explicou Pedro Salvador que já encontrou as “curvas” de Murça secas, durante a tarde. Somando três vitórias nas quatro provas já realizadas, no âmbito do Campeonato Nacional de Montanha, o piloto flaviense espera conseguir manter os bons resultados e cumprir o objectivo principal que é alcançar o título.

No que concerne ao público, José Maria Costa, Vereador da Câmara Municipal de Murça, confirmou que a chuva terá “interferido” na adesão dos espectadores à prova. No entanto, lembrou que a “rampa já não tem a espectacularidade que tinha, em relação ao público” e a justificação passa pela realização de um maior número de provas e ao facto de as pessoas mostrarem, agora, uma preferência, para assistir às competições “em que correm mais do que um carro, ao mesmo tempo”, provas que trazem “mais vibração e emoção”.

No entanto, o Vereador confirmou, desde logo, que, no último fim-de-semana de Outubro, dias 27 e 28, as “curvas” da vila transmontana vão ser palco de mais uma prova que, organizada pelo Clube Automóvel da Régua, vai encerrar o calendário do Campeonato Nacional de Montanha, antecedendo, assim, as rampas do Caramulo (dias 7 e 8 de Setembro) e da Penha (dias 28 e 29 de Setembro).

MM

 

 

Classificação Final:

 

1.º Pedro Salvador – BRC CM05, 4:23s772

2.º David Saraiva – BRC CM02, 4:29s103

3.º Paulo Ramalho – Juno SSE, 4:29s386

4.º António Nogueira – Porsche 911 Turbo, 4:29s732

5.º Joaquim Teixeira – BRC CM02, 4:32s567

6.º António Mosteiro – Outeda Racing CM, 4:32s567

7.º António Barros – Porsche 911 RSR, 4:37s467

8.º José Gomes – Ford Escort Cosworth, 4:41s285

9.º Joaquim Rino – BRC CM05, 4:42s078

10.º António Nogueira – Ford Escort, 4:45s176

11.º Benito Varela – Outedo R. CM Mini, 4:47s988

12.º Miguel Silva – Mitsubishi Lancer Evo V, 4:56s928

13.º João Fonseca – PRM, 5:05s867

14.º Celmo Guicho – Renault Clio, 5:06s896

15.º Roberto Meira – Renault Clio, 5:10s231

16.º Carlos Inácio – Ford Escort, 5:11s528

17.º António Areal – Toyota Corolla T-Sport, 5:11s679

18.º Nuno Mota – Mini 1275GT, 5:16s914

19.º Nuno Guimarães – Mazda MX5, 5: 21s133

20.º António Queiroga – Toyota Corolla T-Sport, 5:23s450

21.º Martine Pereira – Renault Clio, 5:32s415

22.º Rui Maio – Toyota Yaris, 5:41s241

23.º João Guimarães – Toyota Corolla, 5:43s001

24.º Domingos Fernandes – Autobianchi A112, 6:10s486

25.º João Rocha – Peugeot 205 GTi, 6:17s203

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.