Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2021
© MR

Comerciantes queixam-se de fortes quebras nas vendas

Chaves é, por tradição, uma cidade muito ligada aos Santos e que vive intensamente os costumes religiosos. Porém, se a afluência aos cemitérios foi notória, já a venda de flores e velas anda pelas ruas da amargura. Os comerciantes queixam-se da falta de poder de compra e alegam que a pandemia “ensinou a saber poupar”

-PUB-

À entrada do chamado cemitério velho encontrámos alguns comerciantes com bancas repletas de flores, arranjos, velas e outros artefactos alusivos ao Dia dos Finados. O movimento era muito, com a constante entrada e saída de flavienses que fizeram questão de ir visitar os seus entes queridos. Porém, ao contrário do que era esperado, a grande afluência não se refletiu em receita, registando-se fortes quebras nas vendas.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.