Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
Adérito Silveira
Maestro do Coral da Cidade de Vila Real. Colunista n'A Voz de Trás-os-Montes

Coral da Cidade cantou com máscara

O dia 01 de dezembro foi particularmente festivo com a oitava inauguração da Mostra de Presépios- 2021- na Cidade de Vila Real. Prestação inestimável das 20 Juntas de Freguesias e do Centro Cultural dos Trabalhadores do Município.

-PUB-

O dia 01 de dezembro foi particularmente festivo com a oitava inauguração da Mostra de Presépios- 2021- na Cidade de Vila Real. Prestação inestimável das 20 Juntas de Freguesias e do Centro Cultural dos Trabalhadores do Município.

Mais uma vez, o Coral da Cidade de Vila Real participou nesta ação tão acarinhada pelos vila-realenses. Iniciativa que se insere no programa “animação natalícia “Bila Natal”, que com uma belíssima iluminação, a nossa cidade oferece uma luz redentora que ilumina tantos corações.

Mas, natal sem música não faz sentido porque os sons levam a palavra ao mais fundo da alma e natal sem presépios é inconcebível, porque amputado de figuras tão familiarizadas com a nossa tradição cristã.

O Coral da Cidade aceitou o desafio de atuar, mesmo com a desconfortável máscara. É sabido que este adereço, pouco simpático, cria dificuldades em manter a performance de um nível qualitativamente apurado de voz.

Na verdade, com o uso da máscara, cresce o número de pacientes com disfonia por tensão muscular, dadas as dificuldades para emitir a voz, originando rouquidão, falta de volume, ansiedade, projeção, entre outras dificuldades.

O Coral aceitou o convite da Câmara Municipal com expectativa, mas também com a noção de que cantar com máscara não seria a mesma coisa, o som perdia-se no seu brilho, não teria a projeção nem o volume adequados. Além disso, o lugar, o barulho dos automóveis e o frio, eram elementos também eles prejudiciais para a afirmação da clarividência das vozes. No entanto, o grupo deu o seu melhor, cantou e vibrou na força da emoção do calor natalício para superar os obstáculos já referidos.

O Coral apresentou três temas alusivos ao Nascimento de Jesus Menino e as vozes cantantes projetaram-se pelo espaço aberto e frio e o calor aflorou ali, quando a invocação dos pastores e Reis Magos foram sublimados pelas vozes em harmonia.

Pela paz, pelo bem, pelo amor, nasce em nós Jesus Cristo Senhor. Por isso é Natal, é sempre Natal. E ele renova-se quando o homem quer. Se tu não quiseres e não deixares, então há pessoas que não terão Natal. Um dia quando for Natal e não for Dezembro e o mundo for o espaço onde cabe um só abraço, então Jesus virá e será a flor de tudo, o Redentor Universal… e o coro voltou a cantar: “Da serra veio um pastor, à minha porta bateu, trouxe uma carta que diz, o Deus Menino nasceu. Essa notícia tivemos, meia-noite seria, por isso nós vimos dar parabéns a Maria.” E o coro cantou, ainda, a chegada dos Reis Magos, Gaspar, Melchior, Baltasar que se ajoelharam na lapinha, cada qual por sua vez, porque a lapinha era pequena, mas aconchegada pelo lugar divino, perfumado de santidade. E o coro cantou, cantou, com máscara e alegria na alma.

Mais Lidas

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.