Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2021

David Carvalho pede descentralização do júri da DGArtes

O diretor diz que as verbas são “essenciais” para a sobrevivência da Companhia, que conta com 33 anos de atividade e corre o risco de ser extinta 

-PUB-

“Zero euros” para a Filandorra. Os apoios da Direção-Geral das Artes para 2020/2021 foram conhecidos na semana passada, com a Companhia de Teatro Filandorra a não constar da lista de apoios atribuídos pelo Ministério da Cultura, apesar de a candidatura da companhia de teatro ter sido elegível para receber financiamento. 

Em declarações à VTM, David Carvalho mostrou-se “indignado” com a forma como foi tratada a Companhia que dirige, referindo que está colocada em causa a sustentabilidade do projeto. “Se nada for feito, estamos perante uma situação calamitosa, em que corremos o risco de ter de extinguir a Companhia, o que “levará ao maior despedimento coletivo na área do teatro em Portugal”, afirmou, adiantando que “não é

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.