Sábado, 3 de Dezembro de 2022
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Douro Superior pede mais investimento na saúde

A Associação de Municípios do Douro Superior (ADMS) exige mais investimento na saúde e mais meios de emergência médica. O objetivo é compensar o encerramento dos Serviços de Atendimento Permanente (SAP) nos Centros de Saúde.

PUB

A AMDS engloba os concelhos de Torre de Moncorvo, Miranda do Douro, Mogadouro, Freixo de Espada à Cinta, Figueira de Castelo Rodrigo, Meda, Vila Nova de Foz Côa e, segundo Nuno Gonçalves, presidente desta associação, “as pessoas não podem ficar mais de uma hora à espera de serviços médicos de emergência diferenciados, como é o caso uma ambulância SIV ou de uma Viatura de Médica de Emergência e Reanimação (VMER)”.

O também presidente da Câmara de Moncorvo lembra que “nas localidades onde houve encerramento dos SAP, houve a promessa do governo de 2007 para que fosse alocada uma ambulância SIV”, referindo que “terá de haver mais investimento por parte do Estado na área da saúde, pelo bem-estar das populações”.

Nuno Gonçalves defende que “devem ser colocados, no Douro Superior, mais meios de forma a dar uma resposta cabal aos interesses da população, de forma positiva”, isto porque, “de forma negativa, já fomos obrigados a encerrar os SAP, com muitos concelhos a ficarem privados do atendimento no período noturno”.

Nuno Gonçalves deu o concelho de Torre de Moncorvo como exemplo, onde a falha da ambulância SIV de Foz Côa ou de Mogadouro obriga à a intervenção da VMER de Bragança ou da Guarda, obrigando a viagens mais longas.

“As pessoas não podem estar à espera mais de uma hora, porque isso coloca a vida dos doentes em risco, principalmente em territórios com a população envelhecida e onde, várias vezes ao dia, são transportados utentes dos lares ou de outras instituições”, conclui Nuno Gonçalves.

PUB

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.