Quarta-feira, 4 de Agosto de 2021

Feira do Mel ajudou produtores que estimam quebras entre 60 a 80%

Muitas pessoas passaram pelo Parque Termal para provar e levar mel e outros produtos regionais, num certame que teve de se adaptar à nova realidade 

-PUB-

A Feira do Mel foi um dos certames que a autarquia de Vila Pouca de Aguiar decidiu não cancelar devido à pandemia. Uma decisão que ajudou os produtores a escoar alguma produção, que este ano está a sofrer uma quebra entre os 60 a 80%.

Luís Rodrigues produz mel em Pedras Salgadas, e vem desde a primeira edição à feira, mas este ano tudo foi diferente, com menos expositores e muitas normas da Direção Geral de Saúde, por causa da Covid-19.

Com quebras na ordem dos 80%, este produtor diz que este é um ano para esquecer. “Foi uma quebra enorme na produção, superior a 80%, mas temos de aproveitar estas iniciativas para mostrar aquilo que temos disponível para vender”, adiantando que cada vez está mais difícil produzir mel. “Deve-se sobretudo às alterações climáticas. Este ano foi muito atípico, começou muito bem, em fevereiro e março, mas abril foi muito frio, o que prejudicou muito a produção, pois nos meses em que devia estar frio esteve calor e quando deveria estar calor esteve frio. Anda tudo ao contrário e as abelhas sentem muito estas alterações”. 

De Sabrosa encontramos o produtor Vítor Vilela, que não teve tanta quebra na produção (entre 60 a 70%), mas mesmo assim está longe dos valores de outros anos, porque as abelhas não renderam o que era expetável. “Fevereiro e março foram meses excelentes, mas a partir daí tudo mudou para pior”, revela, acrescentando que um incêndio em julho destruiu-lhe 60 colmeias e 30 núcleos. “Perdemos entre 700 a 800 quilos de mel, perdemos os efetivos e as caixas”.

Apesar de todas as contrariedades, este produtor está otimista para o futuro. “Somos produtores profissionais e os nossos produtos estão disponíveis em várias lojas em todo o país e também exportamos mel de várias florações (urze, rosmanino, carvalho), entre outros derivados”.

VISITANTES

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO.
APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.