Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Fogo em Murça a lavrar com “muita intensidade”

O município de Murça, no distrito de Vila Real, está preparado para retirar pessoas, se for necessário, já que o incêndio que se iniciou domingo à tarde no concelho lavra “com muita intensidade”, colocando a aldeia de Vilares em risco.

-PUB-

“Estamos preparados para isso, não sei se vai acontecer, mas estamos preparados” para retirar pessoas, disse domingo à noite à Lusa o presidente da Câmara de Murça, Mário Artur.

O incêndio avançou para o concelho de Vila Pouca de Aguiar, onde apresenta uma frente de vários quilómetros, ameaçando várias instalações agrícolas e, por proximidade, as aldeias de Reboredo e Vales, lê-se na página do município no Facebook.

A informação adianta que foram solicitados reforços ao Comandante Distrital de Operações de Socorro de Vila Real, uma vez que “os únicos [bombeiros] presentes são da corporação de Vila Pouca de Aguiar”, tendo Miguel Fonseca referido, num contacto com o presidente do município, que “haveria equipas em deslocação“ para o concelho.

Miguel Fonseca disse à Lusa que Murça e Vila Pouca de Aguiar são incêndios contíguos, o que é “muito preocupante, porque está a arder uma grande área de povoamento florestal, pinhal adulto, e algum mato”, com “uma violência enorme de condições meteorológicas, particularmente de vento”.

Segundo disse, estão a ser reforçados meios em Murça e em Vila Pouca de Aguiar, a nível regional e nacional, mas admitiu que “leva tempo, devido às ocorrências de grande dimensão que estão a absorver muitos meios”.

O incêndio que deflagrou por volta das 16h35, na localidade de Cortinhas, concelho de Murça, mobiliza, neste momento, 157 operacionais apoiados por 54 viaturas. Já no concelho de Vila Pouca de Aguiar, na localidade de Vales, encontram-se 76 homens, apoiados por 22 viaturas.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.