Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022
© MR

GNR controla entrada de pessoas e veículos no país

A GNR de Chaves está a controlar a fronteira com Espanha desde as 00h00 de quarta-feira em consequência das medidas restritivas em vigor desde o dia 1 de dezembro. Até ao momento, o balanço é positivo e poucos foram os que optaram por regressar ao país de origem

-PUB-

De acordo com o tenente Miguel Teixeira, da GNR de Chaves, a ação conta com militares da Divisão de Trânsito e do Destacamento Territorial da cidade flaviense. “Para já, o balanço é positivo. Tendo em conta as restrições em vigor, o fluxo de trânsito é bastante reduzido. A grande maioria das pessoas que entra no nosso território possui certificado de vacinação e, alguns, vêm mesmo com testes negativos”.

O tipo de fiscalização e controlo varia consoante o país de origem dos automobilistas. “Dependendo da proveniência assim varia o tipo de documento necessário para entrar no país. Por exemplo, se for um país extracomunitário ou se for um estado-membro da União Europeia (UE) com risco elevado, além do certificado de vacinação, é exigido um teste negativo. Caso seja proveniente de um país da UE com risco baixo a moderado, o certificado é suficiente”.

Destaque para “algumas situações de pessoas que optaram por não entrar no país. A fronteira não está fechada. Está aberta e há um controlo pontual e aleatório da GNR. Tivemos alguns casos de cidadãos sem qualquer documento que lhes permita entrar livremente no país. Nestes casos, foram notificados para realizarem um teste à Covid-19 num laboratório. Caso o resultado seja positivo, a autoridade de saúde determina se é feito um confinamento ou outro tipo de medida. Se for negativo, o cidadão segue a sua vida normal”.

Até ao momento, “alguns cidadãos optaram por não entrar e regressar ao país de origem, neste caso, a Espanha, por não quererem fazer o teste. Nos casos em que desejam entrar no país e se recusam a fazer o teste, aplica-se uma contraordenação que vai dos 300 aos 800 euros”.

Segundo o tenente, a grande maioria dos automobilistas que nestes dois dias atravessaram a fronteira com a vizinha Espanha são “trabalhadores transfronteiriços espanhóis, no regime de exceção, aos quais basta o certificado de vacinação para circularem livremente”. Registo, ainda, “de alguns franceses que aproveitam a época do Natal para vir passar uns dias ao nosso país”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.