Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Incêndio em habitação resulta em duas vítimas mortais

O alerta para o fatídico incêndio numa habitação em Vilarinho da Raia, concelho de Chaves, foi dado por volta das 00h30 desta madrugada. As causas do mesmo serão investigadas pela PJ

De acordo com José Carlos Silva, comandante dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública (BVSP) de Chaves, “quem deu o alerta, por volta das 00h30, indicou-nos que terá havido uma explosão e, na sequência da mesma, a casa ficou incendiada. Nós (BVSP) não assistimos a essa explosão. Efetivamente, há indícios de que terá saltado alguma coisa para o exterior, mas não o presenciámos”.

À chegada dos Bombeiros ao local, “a casa estava tomada pelas chamas, já tinha acontecido a queda total do telhado e do chão do primeiro piso. Portanto, não se conseguia entrar na habitação”, explicou o comandante. “Foi feita proteção às casas contíguas, à esquerda e à direita. Começámos a fazer o ataque às chamas e, quando houve hipótese, entrámos na habitação e foi-se procurando pelos corpos”.

As vítimas mortais, “segundo indicação dos populares, seriam mãe e filha, com cerca de 97 e 55 anos, respetivamente”. No local estiveram “10 operacionais e três veículos” dos BVSP, bem como “a GNR, com três elementos, e a Polícia Judiciária, também com três elementos. Esteve, ainda, a VMER de Chaves, a ambulância do INEM e uma ambulância dos Bombeiros Flavienses”, indicou José Carlos Silva.

De acordo com o tenente-coronel Eduardo Lima, Oficial de Comunicação e Relações Públicas da GNR de Vila Real, “as causas estão por apurar. Não se sabe, ao certo, o que aconteceu. Há uma testemunha que indica ter havido uma explosão na casa, mas, por agora, não se sabe se esta terá ocorrido antes ou durante o incêndio. Essa investigação está a cargo da Polícia Judiciária”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.