Quarta-feira, 20 de Outubro de 2021
© Mariana Ribeiro

Justiça e Futuro quer fixar jovens e zelar pela “persistência do concelho no tempo”

O Grupo de Cidadãos Eleitores Justiça e Futuro - J F, candidato à Câmara e Assembleia Municipal de Sabrosa, realizou ontem um comício, onde se destacaram as várias problemáticas do concelho

-PUB-

O comício decorreu no Auditório Municipal de Sabrosa perante uma plateia reduzida devido às restrições impostas pela pandemia. António Soares, candidato à presidência da Câmara Municipal de Sabrosa, destacou as principais problemáticas do concelho que, no seu entender, se prendem, essencialmente, “com a desertificação progressiva em termos demográficos. Nos últimos 10 anos, Sabrosa perdeu 13% da sua população. O executivo atual, bem como os que o antecederam, nunca souberam contribuir para inverter essa tendência”.

Segundo o antigo magistrado, “faltam incentivos a empresários jovens para que se fixem no nosso concelho, muito mal servido para o teletrabalho, para o qual urge dar solução”, alerta o candidato, destacando que “os dinheiros públicos não têm sido usados para satisfazer as verdadeiras necessidades da população”.

A par disto, António Soares revelou que tem “pensado muito nos jovens. Iniciando as suas carreiras nas escolas de Sabrosa, que concluem, depois, nas universidades, seguem um rumo que não passa pela fixação neste concelho, pela falta de incentivos. Os que existem são dirigidos à natalidade, o que resolve o problema no momento, mas agrava-o no futuro. O apoio deve ser dado a partir da infância, até que os jovens encontrem o seu próprio destino no mundo do trabalho”.

O Grupo Grupo de Cidadãos Eleitores Justiça e Futuro considera que é “urgente o apoio da Câmara na criação e construção de ninhos de empresas, onde os jovens possam dar largas à sua criatividade, numa visão de sucesso para as suas carreiras, o que acontece por todo o mundo”, destaca o candidato. António Soares acrescentou, ainda, que “faltam apoios ao emprego jovem”, um problema que considera “gravíssimo”.

Outra das problemáticas do concelho prende-se com “o apoio social aos mais desfavorecidos, protagonizado, essencialmente, por instituições privadas de solidariedade social, cuja maioria esmagadora está à beira do colapso por não terem os devidos apoios do município”. O candidato destacou, ainda, que “os dinheiros públicos devem ser direcionados para problemas urgentes e que beneficiem a qualidade de vida da população”, outra das suas bandeiras.

“Uma Câmara que esteja voltada para os reais interesses das pessoas, fará tudo para que essa qualidade de vida melhore. Propomo-nos a tomar medidas para que Sabrosa seja um concelho melhor e que persista no tempo”, destacou o candidato.

A saúde pública e o clima foram dois dos grandes temas abordados no Auditório Municipal de Sabrosa. Em declarações à VTM, António Soares avançou que “existe uma grave lacuna no que toca à falta de tratamento dos resíduos produzidos pela zona industrial. Isto é um atentado gravíssimo ao ambiente que está hipotecar o futuro das próximas gerações do concelho. Este parque industrial foi, recentemente, alargado mas com os mesmos vícios”.

Ainda no que diz respeito ao ambiente, António Soares destacou “as minas abandonadas” do concelho, “que produziam resíduos de elevada toxicidade que colocam em perigo a saúde das populações. Falo, por exemplo, das Minas de Vale das Gatas, onde as galerias se encontram inundadas e os níveis freáticos estão comprometidos. As nascentes e ribeiros ali existentes vão dar ao rio Pinhão, onde os sabrosenses e os habitantes do concelho limítrofe de Alijó vêm tomar os seus banhos nos meses de verão”, alertou o candidato.

Mais ainda, o candidato destacou “que há vários edifícios em Sabrosa que possuem telhados de amianto e todos sabemos da perigosidade para a saúde pública. O Mercado Municipal é um exemplo. A sua reconversão é necessária”.

O Grupo de Cidadãos Eleitores Justiça e Futuro – J F é candidato à Câmara e Assembleia Municipal de Sabrosa nas eleições do próximo domingo, dia 26 de setembro.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.