Quinta-feira, 11 de Agosto de 2022

Maximino Costa – Presidente do GD Ribeira de Pena

O GD Ribeira de Pena fez 40 anos em 15/01/1974. Conta atualmente com cerca de 450 sócios, mas apenas 120 têm as quotas em dia. Um dos grandes marcos da história deste clube verificou-se na década de 80 ao consagrar-se campeão distrital de seniores da Associação Futebol Vila Real e assim subir à terceira divisão nacional. Depois, na década de 90, houve outro marco histórico com a subida ao campeonato nacional de juvenis 1º divisão e aí ter permanecido durante cinco anos, fruto do protocolo existente entre o clube e o Vitória S.C, passando por aqui nomes que são e foram referência do futebol português, como os casos de (Fernando Meira, Pedro Mendes, César Peixoto, Flávio Meireles, Alex, entre outros),

-PUB-

VTM – Como surgiu a ideia de presidires à Direção do Clube?

MC – Foi algo que surgiu com alguma naturalidade, joguei muitos anos no clube, depois tornei-me treinador, passei por todos os escalões, quer como jogador quer como treinador, o clube era gerido por uma comissão administrativa, que terminava agora a sua gestão e decidi apresentar um projeto novo para o clube “RIBEIRADREAM 2015”, que foi muito bem aceite pela maioria dos sócios e restante população, embora haja ainda alguns que desconhecem a sua verdadeira essência.

A vontade de fazer algo pelo clube, pela minha terra e pelas pessoas foi determinante para abraçar esta nova vida para o clube.

VTM – Quais são as linhas principais deste novo projeto “RIBEIRA DREAM2015”?

MC – Este projeto foi pensado de uma forma muito criteriosa, ou seja indo ao encontro da realidade em que o clube está inserido. Pretendemos que o clube seja aberto a todos e para todos, que seja uma grande referência de todos os ribeirapenenses.

O projeto pode ser dividido em três grandes pilares:

1º Organização interna do clube (desde a política de formação, a constituição e definição dos plantéis, normas de conduta, linhas estratégicas, ação social, marketing, perfil treinadores/diretores, metodologia do treino, articulação com outras instituições, etc…);

2º Abrir o clube a toda a população através da implementaçao de novas modalidades que não sejam só o futebol e criem uma nova dinâmica (BTT, escola natação, futsal, voleibol feminino, equipa veteranos, atividade física para idosos etc..) e também na responsabilidade que o clube deve ter no incentivo à prática desportiva e ao bem estar de toda a população, de forma a atrair mais gente ao clube. O clube é de todos e para todos;

3º Criar e melhorar infraestruturas. Infelizmente somos dos pouquíssimos clubes a nível distrital e nacional, sede de concelho, que não possui um espaço desportivo digno com a história do clube, é evidente que todos os ribeirapenenses “sonham” há muito com essa futura realidade. No passado gastou-se muito dinheiro em grandes projetos mas ficaram na gaveta pois os sócios não se identificaram com eles. Nós temos uma ideia daquilo que gostaríamos que fosse concretizável a que chamamos “Espaço 2015”, que consiste num relvado sintético, requalificação dos balneários existentes e criação de um edifício novo, onde ficaria a sede do clube, a loja, o bar, sala multiusos, e um ginásio para toda a população. A localização do campo está numa zona privilegiada, inserido no centro da vila, perto da escola, ao lado do auditório e da biblioteca municipal, a poucos metros dos bombeiros, Santa Casa, o que nos permite, em termos de logística, beneficiar e muito com essa localização, mas é apenas uma ideia (sonho) e como ter ideias ou sonhar ainda não paga imposto, vamos trabalhar e sonhar para que seja uma realidade.

 

VTM – De que forma é que essas condições poderão ser melhoradas?

MC – Estamos a estudar uma parceria com a Câmara Municipal. Vamos propor aos sócios em assembleia-geral a passagem do campo para municipal, afim de serem melhoradas as condições estruturais, mas de uma coisa os sócios podem ter a certeza os interesses do clube estarão sempre em primeiro e estarão sempre garantidas todas as atividades desenvolvidas pelo clube.

VTM – Consideras que o clube tem condições para aspirar a outros patamares, como subir de divisão?

MC – Neste momento não está no horizonte, até porque sofremos alguns cortes financeiros, o que nos vai obrigar a um grande esforço e rigor no planeamento e cumprimento das nossas obrigações. O orçamento baixou significativamente, mas quem sabe, o futebol é cheio de surpresas se todos acreditarmos e formos unidos então tudo pode acontecer. Veja o caso do Atlético Madrid…. Temos jogadores com qualidade e uma direção em formação, mas também dinâmica, já com uma base boa, sócios a crescer e envolvidos com este clube e com este projeto. Acho que estamos no bom caminho. Acredito que se melhorarmos as condições de trabalho, o caminho será mais fácil.

VTM – Que apoios o clube recebe de outras entidades? De que forma pretende atrair novos investidores?

MC – O Clube vive de apoios de instituições, sócios e particulares. Temos em vista várias iniciativas criativas de forma a atrair gente e apoios para o clube. Dou alguns exemplos: vamos fazer a campanha “sócio correspondente”, vamos ter loja com produtos do clube, abrir um site, convidar empresas para jogos amigáveis, criar um plano de atividades ao longo do ano, etc..

VTM – E a formação ? Qual o teu objetivo?

MC – Esse é o nosso grande orgulho e é para isso que vive o clube, para dar atividade desportiva ao jovens e ajudá-los a crescer de uma maneira saudável, dar-lhes a oportunidade de serem bons ser humanos e se possível jogadores profissionais. O ano transato o clube tinha cerca de 100 atletas divididos em vários escalões: Petizes, Traquinas, Benjamins, Infantis, Iniciados e Juniores, que jogavam nos respetivos campeonatos, esperamos vir a aumentar esse número. Funcionam dentro de um projeto desenvolvido em parceria entre o Clube e o Município de Ribeira de Pena, designado projeto de Formação Pessoal e Desportiva.

Gostaria de referir que atualmente o plantel sénior é formado por cerca de 17 jogadores da terra e o nosso desejo, num futuro próximo, é que todo o plantel seja formado pelos jogadores da terra, embora estejamos sempre condicionados por alguns fatores (universidade, emigração, etc..)

VTM – A nível financeiro como está atualmente o clube?

MC – A situação é estável, não há lucro, mas não tem aumentado as dívidas. Iremos trabalhar para manter uma imagem limpa, de cumpridor, porque queremos andar de cabeça levantada e depois porque estamos a representar uma instituição e um concelho com o qual se identificam os ribeirapenenses e não os queremos desfraudar. Queremos que onde apareça o nome de Ribeira de Pena, todos ribeirapenenses sintam orgulho.

VTM – Já há acordos com alguns atletas para a temporada que está à porta?

MC – Neste momento já acordámos com alguns jogadores que transitam da época passada, vamos também promover alguns juniores e vamos ser muito rigorosos nas restantes contratações, de forma a termos um plantel equilibrado que nos permita fazer um campeonato digno da história do clube.

VTM – Qual o orçamento previsto para a época 2014/2015?

MC – Ainda não está calculado na totalidade, faltam acertar algumas questões relativas aos subsídios que são atribuídos ao clube, de qualquer maneira nos anos anteriores rondavam os 60 mil euros, mas certamente que este ano terá que ser inferior.

VTM – Estás por isso otimista relativamente ao futuro?

MC – O otimismo faz parte de quem sonha, e quando se trabalha numa instituição com 100 jovens, se não és otimista, então o melhor será procurar outro lugar. Apesar das dificuldades serem cada vez são maiores, vamos trabalhar e acreditar sempre que com menos podemos fazer mais.

VTM – Como vês o “Nosso Jornal” no contexto desportivo?

MC – A comunicação social é um meio fundamental para a divulgação e desenvolvimento de uma região, pelos vários fatores que lhe estão inerentes. Relativamente ao “Nosso Jornal” é e será sempre uma referência para toda a nossa região, pois transmite de uma forma clara, objetiva e rigorosa todas as informações nele contidas. Da minha parte e da parte do G.D.Ribeira de Pena haverá sempre cordialidade e cooperação.

VTM – Uma mensagem que queiras deixar à massa associativa e a todos os ribeirapenenses?

MC – A mensagem já foi transmitida nestas linhas. Estamos a fazer um trabalho para toda a comunidade, através do clube onde todos sem exceção são bem vindos, valorizamos a opinião de todos e queremos melhorar. Não fiques à espera que as coisas aconteçam, se todos nos unirmos e cada um der um bocadinho em prol deste clube, então podemos fazer grandes e bonitas coisas pelo desporto e por Ribeira de Pena.

Lembrem-se: “O Ribeira és TU”.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.