Domingo, 3 de Julho de 2022

Medicamentos gratuitos para os doentes de Campo de Jales

É uma iniciativa pioneira, na região transmontana. A população da aldeia mineira de Campo de Jales (Vila Pouca de Aguiar) é abrangida, anualmente, por uma campanha de solidariedade social, onde consta a distribuição graciosa de medicamentos aos estractos sociais mais desfavorecidos. Dezenas de pessoas são, assim, beneficiadas através do Rotary Clube de Vila Real, com […]

É uma iniciativa pioneira, na região transmontana. A população da aldeia mineira de Campo de Jales (Vila Pouca de Aguiar) é abrangida, anualmente, por uma campanha de solidariedade social, onde consta a distribuição graciosa de medicamentos aos estractos sociais mais desfavorecidos. Dezenas de pessoas são, assim, beneficiadas através do Rotary Clube de Vila Real, com esta campanha, iniciada há mais de dez anos. A próxima acção vai decorrer, em Junho próximo, com participação, igualmente, de duas médicas do Centro de Saúde de Vila Pouca de Aguiar.

 

O Presidente do Rotary Clube de Vila Real, José Boaventura, adiantou, ao Nosso Jornal, o enquadramento social desta iniciativa.

“Sabe-se que a zona do Planalto de Jales é muito desfavorecida, socialmente. Daí termos adoptado esta vontade em tentar minorar as difíceis condições de vida das populações mais carenciadas. Em particular, os idosos. Por isso, todos os anos levamos medicamentos a Campo de Jales”.

 

Rotary conta com a colaboração do Centro de Saúde

 

Segundo José Boaventura a iniciativa é levada a cabo “conjuntamente com alguns médicos que fazem parte do Rotary e de José Ferreira, Delegado de Informação Médica, igualmente membro deste clube“, acrescentando: “Julgo que o Rotary tem tido uma intervenção significativa, junto da sua população, apesar de ser uma vez por ano. Mesmo assim, considero importante. É uma ajuda significativa, para quem gasta muito dos seus parcos recursos em remédios, sabendo-se que os remédios são muito onerosos”. Este dirigente fez questão de salientar “a colaboração do Dr. Luís Castelo Branco, neste projecto social. Ele tem ajudado, muito, nesta iniciativa” – frisou.

Quanto aos medicamentos distribuídos, estes têm como destinatários “os doentes que sofrem de doenças mais persistentes. Como e entre outras, a hipertensão arterial, colesterol, dificuldades respiratórias e asma”. Em relação a esta última, referiu que alguns doentes têm a ver com a actividade mineira, antes exercida”.

No que se refere ao que está planeado, no que concerne à distribuição, José Boaventura explicou-nos: “Nós entregamos essa tarefa ao Centro de Saúde de Vila Pouca de Aguiar, à Dra. Maria José e à Dra. Yhadira, as médicas que estão responsáveis pela área de Saúde de Jales. Depois, as mesmas fazem a distribuição, na unidade de Campo de Jales, aos respectivos utentes. Elas são peças muito importantes nesta nossa iniciativa, pois lidam com as populações e sabem das suas doenças e outras dificuldades”.

A quantidade de medicamentos a entregar, anualmente, varia.

“Uns anos podem ser mais, outros menos. O número de doentes beneficiados podem ser mais ou menos, tudo depende do que os Laboratórios farmacêuticos oferecem” – disse José Boaventura.

 

Lar de Nossa Senhora das Dores também é apoiado

 

Esta iniciativa começou há mais de dez anos e, a partir daí, tem sido regular.

A origem desta acção inédita aconteceu na altura em que “era responsável pela Extensão de Saúde de Campo de Jales, o Dr. Rodrigues que faz parte, agora, do Centro de Saúde n.º 1 de Vila Real”. Segundo o Presidente do Rotary Club desta cidade, este, depois de uma conversa com o Dr. Castelo Branco, igualmente Rotário, fez com que o processo avançasse, dado que este último ia fazer assistência ao Centro de Saúde de Vila Pouca“.

Para o futuro, a “iniciativa vai continuar”. O destinatário será, sempre, a pessoa com menos recursos económicos e, nesta triagem, vamos contar, como até aqui, com o grande apoio das médicas referenciadas. Refira-se, ainda, que esta distribuição gratuita de medicamentos acontece, também, no Lar de Nossa Senhora das Dores, em Vila Real.

Para o êxito destas iniciativas, muito concorre a boa vontade dos vários Laboratórios produtores de medicamentos. Com efeito, têm-se mostrado receptivos à iniciativa do Rotary Clube de Vila Real.

José Boaventura desmistificou a opinião corrente de considerarem um Rotary Clube como uma “agremiação de ricos“. Na composição do seu quadro social, o Rotary é um clube de profissionais.

“Temos algumas regras, é evidente, e tenta-se ter um profissional em cada área. Mesmo dentro desta, há especificidades. Ora, o que faz o Rotário? É colocar ao dispor da comunidade a sua profissão. Interessam as competências e não o dinheiro. Qualquer pessoa que seja um bom profissional e seja uma pessoa reconhecida, pode ser Rotária. Aliás, todos nós vivemos do nosso ordenado. Somos ricos, sim, mas nas atitudes. Isto leva a que o nosso clube tenha alguma pujança reconhecida, a nível nacional, por alguns clubes”.

 

Um grande conjunto de actividades de apoio

 

José Boaventura adiantou, já, os nomes dos dois próximos Presidentes.

“Para 2008/ 09 será candidato a Presidente do Rotary, o companheiro Manuel Cordeiro. E, em 2007/08, será José Carlos Cardoso que inicia a 1 de Julho próximo. Eu termino a 30 de Junho. Ou seja um ano, cujo período decorre de 30 de Junho a 30 de Junho do ano seguinte”.

Por fim, José Boaventura salientou a colaboração de algumas instituições da cidade, entre outras, “o Governo Civil e a Câmara Municipal”.

Refira-se, ainda, que, no plano de actividades de 2006/07, destacamos algumas acções, destas algumas já efectuadas e outras em curso. Nomeadamente, a distribuição de roupas por instituições de acolhimento de criança; a organização de um torneio de futebol e distribuição de bolas pelas várias escolas da comunidade; organização do “Fly-in Vila Real”/”International Fellowship of Flying Rotarians Iberian Section” que decorreu, de 29 de Setembro a 1 Outubro, do ano passado; a recolha e distribuição de produtos de higiene, roupas, calçados e alimentos por Associações de Solidariedade Social, entre as quais os reclusos e reclusas; os apoios à APPC e à APPACDM de Sabrosa (medicamentos e/ou equipamentos); recolha de livros (escolares e outros) e organização da sua distribuição; angariar roupas de criança e organização da sua distribuição, por associações de apoio a crianças, entre muitas outras iniciativas. Realce, ainda, para a participação em vários projectos internacionais, em particular em Timor, onde algumas escolas na zona de Díli têm sido construídas com o apoio do Rotary de Vila Real e alunos desta ilha subsidiados, para frequentarem o ensino.

O Rotary Club de Vila Real foi admitido em Rotary International, a 30 de Novembro de 1966, tendo sido o seu primeiro Presidente Manuel Cardona. O quadro social do clube é, na presente data, de 28 membros.

 

José Manuel Cardoso

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.