Segunda-feira, 25 de Outubro de 2021
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Militares entregaram duas toneladas de mantimentos à Câmara Amiga

À semelhança do que tem vindo a acontecer desde que foi retomada a organização da São Silvestre, os militares do RI13 reuniram esforços numa recolha de alimentos que reverteu para a população mais carenciada do concelho. Apesar de terem participado em menor número na corrida, os militares conseguiram ultrapassar a fasquia de 1,2 toneladas recolhidas ano passado, graças à participação na campanha dos mais de 700 elementos que integram o Battle Group da União Europeia

-PUB-

O Regimento de Infantaria (RI) 13 entregou, no dia 20, ao Programa “Câmara Amiga”, da autarquia de Vila Real, duas toneladas de mantimentos recolhidos entre os militares no âmbito da Corrida de São Silvestre 2010.

Ao contrário das quatro edições anteriores, em que participaram na corrida várias centenas de militares, este ano o RI13 fez-se representar na prova apenas com cerca de quatro dezenas de homens, o que não impediu, no entanto, o regimento de ultrapassar a quantidade de alimentos recolhidos no ano passado.

Se por um lado a participação na fase final de aprontamento nacional das forças atribuídas por Portugal ao BATTLEGROUP da União Europeia impediu que muitos militares corressem a São Silvestre, por outro, foi graças à realização deste aprontamento que houve um acréscimo na quantidade dos alimentos doados, isso porque participaram não só os homens do RI13, mas todos os elementos que integram a força europeia. “Este ano, tínhamos 783 militares na unidade, porque estamos a aprontar o batalhão para o Battle Group. Estavam aqui militares de outras unidades, nomeadamente de Viseu e Braga, que também participaram”, explicou o Coronel Gomes Leitão, comandante do RI13.

Segundo o mesmo responsável, foi pedido aos militares que participassem na campanha doando alguns dos alimentos mais solicitados, nomeadamente “enlatados, massas, arroz, açúcar, comida para crianças, frutas em calda, sumos e leite”, entre outros.

O comandante garantiu ainda que o Regimento vai continuar a sensibilizar os seus homens para que “continuem a dar”. “Os tempos já estão difíceis mas poderão agravar-se”, considerou o mesmo responsável, revelando que o RI13 vai estudar a possibilidade de dinamizar mais campanhas no seio do Regimento, mas, sobretudo, vai incentivar os militares a participarem, como qualquer outro cidadão, em recolhas de alimentos organizadas por outras instituições.

Manuel Martins, presidente da Câmara Municipal de Vila Real, foi receber pessoalmente os mantimentos recolhidos, sublinhando na altura que, através da “Câmara Amiga”, tem sido possível influenciar outras instituições e até grupos de cidadãos, que se mobilizam para apoiar o programa municipal. “Quando sentimos que ao nosso lado temos pessoas que querem ajudar, é mais fácil”, explicou.

O autarca referiu ainda que o RI13 “é um bom exemplo” deste apoio, frisando a sua capacidade de, nos últimos anos, estreitar a sua ligação à sociedade. “Tem aberto as suas portas e tem procurado misturar-se com a sociedade. O que não acontecia no passado”, recordou o mesmo responsável político.

Apesar de não avançar com valores, Manuel Martins deixou a garantia de que no Orçamento Municipal para 2011 (que foi discutido e votado em Assembleia Municipal ontem, já depois do fecho desta edição do Nosso Jornal) não haverá lugar para cortes no que diz respeito à acção social. “ Queremos que se mantenha este tipo de ajudas, especialmente às crianças e aos idosos”, revelou o edil, advertindo a população para os tempos ainda mais difíceis que se avizinham.

“Naquilo que consideramos como não essencial, vamos cortar. Aquilo que achamos que é importante para as pessoas, para o seu dia-a-dia, vamos manter ou aumentar”, concluiu Manuel Martins.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

ÚLTIMAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.