Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021

Ministra da Saúde espera que a greve dos enfermeiros agendada para abril não aconteça

Dirigente sublinha a “vontade séria” do Governo de negociar com os enfermeiros e lembrou que há diversos temas em cima da mesa de negociações.

-PUB-

Marta Temido, ministra da Saúde, espera que a greve dos enfermeiros agendada para abril não aconteça, sublinhando que da parte do Governo há uma “vontade séria” de negociação com as estruturas representativas da classe profissional.

Questionada sobra a greve anunciada para abril pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal, a representante do Governo salientou que “se a condição da greve é uma vontade séria da parte do Governo, os portugueses já perceberam que o Governo tem uma vontade séria, não pode é fazer aquilo que vai para além das suas possibilidades”.

“Na verdade, neste processo de discussão da carreira de enfermagem, tivemos variadas reuniões com as estruturas sindicais e procurámos fazer um processo de aproximação às reivindicações da profissão de enfermagem”, explicou a ministra da Saúde, no decorrer de uma vista ao concelho de Vinhais para a inauguração da Unidade de Cuidados Integrados.

Marta Temido lembrou ainda que a reivindicação principal era a criação da categoria de especialista e “isso está garantido, publicado em boletim de trabalho e emprego”, acrescentando que “há um processo de auscultação pública que terminará no dia 28 de março no final do qual veremos os contributos que nos chegam e que, se houver espaço para isso, tentaremos acolhê-los”.

 A ministra da Saúde referiu que há outras negociações sobre outros temas que decorrem e que continuarão a ser mantidas, que não estritamente a carreira, como a avaliação do desempenho, a questão da organização do tempo de trabalho, entre outros.

O Governo tem várias iniciativas programadas para conhecer melhor a realidade da saúde no país, num roteiro da saúde que irá iniciar em breve.

 

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.