Sábado, 4 de Fevereiro de 2023
No menu items!
0,00 EUR

Nenhum produto no carrinho.

Município pede apoio para produtores com quebras no azeite e castanha

Numa tomada de posição divulgada pelo município de Valpaços, remetida ao Governo e ao Presidente da República, são pedidas “medidas urgentes e muito concretas de apoio aos produtores de castanha, azeitona, vinho e amêndoa”

-PUB-

A Câmara Municipal de Valpaços reivindicou junto do Governo medidas “urgentes e muito concretas” para apoiar os agricultores, em particular devido às quebras de produção, que na castanha se situam nos 70%, no azeite e amêndoa nos 50% e são de 30% no vinho.

Numa tomada de posição divulgada pelo município e remetida ao Governo e ao Presidente da República, entre outras entidades, é pedida a adoção de “medidas urgentes e muito concretas de apoio aos produtores de castanha, azeitona, vinho e amêndoa”. O executivo municipal liderado por Amílcar Almeida propõe que seja atribuído um “apoio financeiro direto, a título compensatório, tendo por base o diferencial entre a faturação desta campanha e a média aritmética dos últimos três anos”.

“Só adotando este tipo de medidas é que se consegue fixar as populações no Interior”, acredita o município.

A economia do concelho de Valpaços assenta, maioritariamente, no setor primário, que além da quebra de produção devido à seca extrema e outros fenómenos meteorológicos, enfrenta outros condicionantes como o aumento exponencial do preço das matérias-primas, falta de mão-de-obra, dificuldades de escoamento de produtos e escassez de reservas de águas, destaca ainda a autarquia, para justificar este pedido de apoio aos agricultores.

“Considerando que todos estes fatores contribuem manifestamente para o abandono da terra e consequentemente o despovoamento do território já por si tão fragilizado, torna-se imperioso que o Estado Central adote urgentemente medidas que visem mitigar as dificuldades por quem trabalha e vive da terra”, salienta ainda a nota.

Segundo o município, a atividade agrícola no concelho é responsável por gerar um “volume anual de transações no valor de 150 milhões de euros”, com destaque para a castanha e o azeite, assim como para o vinho e a amêndoa.

Em diferentes zonas do concelho impera a monocultura, como acontece na área da Serra da Padrela, onde a paisagem é dominada por soutos. Assim, para o município o apoio é “determinante para a sobrevivência das populações que aí residem”.

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

COMENTAR FACEBOOK

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.