Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2022

Murais recuperam técnicas antigas para retratar milagres e mistérios bíblicos

O Santuário da Senhora da Veiga, em Alfaião, em Bragança, apresenta, aos peregrinos, murais de esgrafitado e fresco sobre o milagre local e os sete mistérios de Jesus e de Maria, uma “catequese” numa técnica natural e antiga.

-PUB-

“A ideia central foi representar o milagre porque era aquilo que as pessoas pediam, mas depois pensou-se em fazer uma catequese de Nossa Senhora, em sintonia com o seu filho, Jesus Cristo, neste caso ‘Os sete mistérios de Jesus e de Maria’, desde o nascimento à crucifixão, passando pela assunção e ascensão do Senhor”, explica o pároco de Alfaião.
Segundo o padre António Estevinho Pires, o milagre da Veiga diz respeito a um lavrador que, ali perto, estava a lavrar. Os seus animais iam cair num “despenhadeiro e o senhor fez uma prece a Nossa Senhora e susteve as vacas”.

“É o milagre que hoje o povo tem muita tradição e quis também que ficasse inscrito no painel central destes murais”, indicou, salientando que num documento do século XVII também consta a história de um sapateiro da localidade que “foi levado pela inquisição, julgado e preso, porque disse que teve visões de Nossa Senhora”.

Os murais no santuário mariano foram feitos com “técnicas bastante antigas”, nomeadamente o esgrafitado e a pintura a fresco, pela artista Tânia Pires. A técnica natural do fresco, usada nesta “pregação” que representa o milagre da Senhora da Veiga e “Nossa Senhora na vida de seu filho Jesus Cristo”, não era usada em Trás-os-Montes há mais de 500 anos.

Em declarações à Agência Ecclesia, a iconógrafa Tânia Pires adianta que o esgrafitado “tem a mesma base da pintura a fresco, que é a base de cal e areia e pigmentos”, através de uma técnica que é “duradoura mesmo a nível de cor”.

A artista que já conhecia a zona rural do Santuário da Senhora da Veiga, em Alfaião, destaca que é “um lugar muito bonito e pacífico”, perto do rio Penacal, e destaca que “é bonito relacionar técnicas tradicionais onde existe ainda alguma tradição”, por isso, faz muito sentido nas aldeias usarem técnicas tradicionais e manter a parte mais ecológica e natural.

“Esta técnica foi pensada porque não se trata de uma estrutura habitual dentro de uma capela, mas no exterior. Aquilo que se percebe é que oferece mais resistência e mais durabilidade. A técnica mural a fresco é muito melhor do que qualquer outra para este tipo de edificação”, destacou o padre António Estevinho Pires.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.