Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
© MR

Museu das Termas Romanas abriu ao público

Classificadas como as maiores da Península Ibérica, as Termas Romanas de Chaves encontram-se, desde esta manhã, abertas ao público na forma de Museu. O complexo pode ser visitado gratuitamente e junta o passado ao presente, combinando a história com a tecnologia moderna, oferecendo, assim, uma verdadeira viagem no tempo

-PUB-

O complexo termal sito no Largo do Arrabalde terá sido construído no século I d.C., tendo sofrido obras de remodelação profundas durante a dinastia dos Severos, no início do século III. De portas abertas ao público e devidamente estudado, constitui-se como o maior e mais bem preservado da Península Ibérica.

Inclui duas grandes piscinas, bem como outros sete tanques adjacentes, de menores dimensões, que seriam para uso individual. Mais ainda, incluem um pátio murado, um templo dedicado às ninfas e um sistema de captação, abastecimento e escoamento de águas termais que, atualmente, ainda se encontra em funcionamento. Quem visitar o complexo pode verificar, também, que as águas continuam a brotar do solo e a encher as piscinas.

Rui Lopes, arqueólogo municipal e um dos responsáveis pelos trabalhos de investigação desenvolvidos no complexo, reitera que “o que mais se destaca nestas termas é a monumentalidade e o estado de conservação das mesmas. Estão quase como se tivessem acabado de ser construídas, prontas a ser usadas. Temos aqui uma ruína viva, na prática, um Museu, um monumento vivo, um achado romano preservado no tempo”.

À época, de destacar que ali existiam “termas higiénicas e termas terapêuticas. As primeiras existem em todas as cidades e vilas romanas. As cidades termais, terapêuticas, só existem onde há água termal, o que não existe em todos os sítios, sobretudo quentes. Estas eram de extrema importância para o império romano. Era aqui que as pessoas tratavam as suas maleitas de guerra, dores, doenças de pele, entre outras”, explicou Rui Lopes.

Atualmente, espera-se que cumpra a missão “de potenciar, afirmar e valorizar esta oferta cultural e patrimonial que Chaves tem”, destacou Nuno Vaz, presidente do município flaviense, a propósito da abertura ao público do complexo termal, há muito esperada.

“Não podíamos demorar mais a abrir as portas (do Museu)”, devido à “expectativa e à vontade das pessoas em conhecer este espaço, a par de uma carga negativa associada ao longo processo de requalificação, de conservação e musealização” que marca a história recente do complexo e remonta ao início dos anos 2000, quando foi descoberto.

O Museu das Termas Romanas, situado da Rua das Longras, oferece uma viagem gratuita e interativa, ao longo de cerca de dezasseis séculos de história da cidade, a todos quantos visitarem o complexo, até então, congelado no tempo.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.