Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2021

Negócios começam a fixar em Bragança alunos estrangeiros do Politécnico

O apoio do Gabinete de Empreendedorismo do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) começou a fixar estudantes estrangeiros em Bragança com duas empresas de alunos internacionais entre as quase 50 criadas numa década, divulgou hoje aquele organismo.

-PUB-

As duas últimas empresas desenvolvidas nesta incubadora foram criadas uma por alunos cabo-verdianos, na área da animação turística e alojamento a pensar nos estudantes que chegam de Cabo Verde, e outra por alunos brasileiros virada para a publicidade e marketing.

São empresas promovidas por "gente que não é da região e que se fixou em Bragança, abriu o negócio e está na cidade", como salientou Jorge Humberto, o responsável pelo Gabinete de Empreendedorismo do IPB.

Este gabinete foi criado em 2009 e, como disse, “se tudo correr bem, até fevereiro de 2020” contabilizará um total de 50 empresas criadas com cerca de 160 postos de trabalho e investimentos de três milhões de euros.

A taxa de sobrevivência das empresas é de 70%, um resultado para o qual contribui o apoio dado pela incubadora com suporte que ajuda a evitar “que as empresas cometam erros e tomem decisões irrefletidas”.

O politécnico de Bragança tem, entre os oito mil estudantes, mais de dois mil estrangeiros de 70 nacionalidades.

Daqueles que chegam de fora, o IPB tem conseguido reter na região depois dos estudos “entre 10% a 15%”, segundo dados relativos a 2016, os últimos disponíveis na instituição.

Fixar gente é um dos propósitos do politécnico e do gabinete de empreendedorismo numa região despovoada com “um cenário catastrófico” em termos demográficos.

“Não nos falta rigorosamente nada para além de pessoas. A verdadeira crise que eu entendo na nossa região é demográfica porque não é possível dinamizar a economia quando tempos uma população de 110 mil habitantes território da CIM (Terras de Trás-os-Montes) e um terço tem mais de 65 anos”, apontou.

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.