DR

Orçamento para 2018 com dotação de 11,3 milhões de euros

A Câmara Municipal aprovou por maioria, na última reunião ordinária, as Grandes Opções do Plano e Orçamento para 2018, que submeteu à Assembleia Municipal para aprovação final.


Um orçamento que totaliza 11 258 457,22€, sendo 6 206 840,21€ destinados a fazer face às despesas correntes e de funcionamento dos serviços e os restantes 5 051 617,01€ serão canalizados para as despesas de capital. O empréstimo de saneamento financeiro continua a ter um peso preponderante no serviço da dívida, gastando anualmente 1.7 milhões de euros em juros e amortizações.

Recorde-se que o valor da dívida no último trimestre de 2017 é de 8 milhões de euros e em 2010 era de 19,7 milhões de euros.
Em 2017, o orçamento da autarquia foi de 8,2 milhões de euros. Para 2018, o orçamento é superior, rondando os 11,3 milhões de euros e prevê mais investimento, aproveitando os fundos comunitários do Portugal 2020.

Uma boa parte do orçamento corrente destina-se a fazer face aos vários programas de cariz social que o município implementa anualmente no concelho e que estão ligados ao apoio à criança, às famílias vulneráveis, ao transporte de doentes, mas também na Educação, com o transporte escolar, o serviço de refeições, a componente de apoio à família, a Escola de Música, e o apoio direto ao associativismo desportivo, cultural e recreativo para o desenvolvimento dos seus planos de atividades. 

O Orçamento para 2018 está muito marcado por projetos financiados por fundos comunitários, como é o caso da Requalificação da Escola EB 2,3/S, da Casa da Cultura, da Rede Periurbana de Passeios, da Eficiência Energética do Prédio de Habitação Social e também o aumento da eficiência energética da Rede de Iluminação Pública.

Além destes projetos de investimento, existem outros de natureza corrente destinados a promover os setores da educação, da cultura e o tecido económico local, em parceria com outras entidades do concelho. Exemplo disto é o projeto Mondim Coopera que inclui várias ações destinadas a empreendedores dos setores económicos locais e a realização da primeira Bienal do Granito que pretende promover e valorizar o Granito Amarelo de Mondim de Basto.

Relativamente ao IMI, a decisão da autarquia é no sentido de manter a taxa mais baixa, de 0,3%, de forma a não onerar o rendimento disponível das famílias do concelho.

Comentários