Agostinho Chaves

Selo postal

Permitam-me que exponha um acontecimento pessoal, neste texto. 


 

Ainda não há muito, há cerca de dois ou três anos, desloquei-me a uma estação de correios, a fim de comprar algo tão simples como selos postais. Não havia, disseram-me, “só na máquina automática” que se encontrava no exterior. Fui à máquina automática e ela estava também sem selos. O rolo tinha-se esgotado. Voltei ao balcão. Disseram-me que não havia nada a fazer, a máquina só podia ser carregada “na próxima semana”. Desalentado, dirigi-me à saída e foi então que ouvi o mesmo funcionário a oferecer-me a oportunidade de adquirir um “estupendo” serviço de loiça da Vista Alegre que os CTT vendiam, naquela mesma estação, a um preço “irrecusável”.

Recusei e saí, com a ideia de que os Correios, como sempre os conhecera e entendera, tinham chegado ao fim. 

Confirmou-se tal desiderato. Os CTT são agora um banco (não de selos nem de serviços postais mas de dinheiro), vendem de tudo (desde peças de porcelana a livros, passando por uma miríade de artefactos) e estão a fechar as suas estações nas santinhas terras do interior, onde, pelos vistos, a movimentação de clientes não será suficiente, no douto entendimento dos administradores, para que o “Banco CTT” alcance os lucros desejados. Em compensação, estão a criar postos nas Juntas de Freguesia e em estabelecimentos comerciais, desde livrarias a lojas de produtos de construção civil.

Desculpem emitir a minha opinião neste texto que é Editorial, mas não resisto em deixar claro que não me interessa grandemente se os correios estão instalados nas estações da empresa ou em lugares de comércio, os tais postos.

O que me interessa, isso sim, é dirigir-me a um desses postos para comprar um simples selo e ser atendido como humano, com afabilidade, e não como máquina automática. Que me satisfaçam a pretensão. E que não deixem acabar os “stocks” de estampilhas fiscais. Se assim não for, poderão os CTT ser um bom banco, mas, decerto, manterei a ideia de que é uma das piores empresas que existem em Portugal.

Comentários