DR

Médicos pedem cuidado com a saúde do coração nas férias

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) está a promover uma campanha de sensibilização para a prevenção da doença coronária “A saúde do coração não tira férias” que tem como objetivo alertar para a importância de manter um estilo de vida saudável no verão.


“Mesmo em tempo de férias, é preciso manter os cuidados regulares com o coração, praticar exercício físico, evitar o álcool, não fumar e controlar a alimentação, optando por não consumir em excesso alimentos ricos em açúcar e gordura. As pessoas não devem abusar só porque estão de férias, colocando assim o coração em risco”, explica João Brum Silveira, presidente da APIC. 

O cardiologista refere ainda que “as principais doenças coronárias, como o enfarte agudo do miocárdio, ocorrem durante todo o ano, e o verão não é uma exceção. Isso obriga-nos a manter o nosso alerta para a importância de um estilo de vida saudável, como forma de prevenção e proteção da saúde do coração, mas também queremos que as pessoas continuem a valorizar e reconhecer os sintomas a que devem estar atentas, como a dor no peito, por vezes com irradiação ao braço esquerdo, costas e pescoço, acompanhada de suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade. Neste tipo de situação deve-se ligar imediatamente para o número de emergência médica – 112 e esperar pela ambulância que estará equipada com aparelhos que registam e monitorizam a atividade do coração e permitem diagnosticar a presença de um enfarte, por exemplo”.  

A doença coronária carateriza-se pela acumulação de depósitos de gordura no interior das artérias que fornecem sangue ao coração. Esses depósitos causam um estreitamento ou obstrução das artérias o que provoca uma diminuição dos níveis de oxigénio e nutrientes que chegam às células do músculo cardíaco. As principais doenças coronárias são a angina de peito e o enfarte agudo do miocárdio.

Sem fins lucrativos, a APIC tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular.

Comentários