DR

Comunidade do Douro promove património classificado através da música

A Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM-Douro) apresentou, em Torre de Moncorvo, o Festival Oito Mãos, Monumentos Com Música Dentro, que vai percorrer os 19 concelhos daquela entidade, de forma a dinamizar o património classificado.


Trata-se de um conjunto de concertos que engloba vários estilos musicais, executados a oito mãos, em que apenas participam quartetos, que vão atuar em monumentos classificados como nacionais ou de interesse público, espalhados pelos 19 municípios integrados na CIM-Douro, num evento cultural que se vai prologar até ao dia 5 de outubro.

“A programação do festival tem em conta o tipo de monumentos, onde vai decorrer. Assim, os estilos musicais são variados e vão desde Rock, Blues, Jazz, [a] Músicas do Mundo ou géneros mais eruditos”, explicou à Lusa o programador da iniciativa, Rui Fernandes.

Segundo os promotores do Festival Oito Mãos, Monumentos Com Música Dentro, são os quartetos que vão fazer o roteiro, e que não foi definido ao acaso.

“Nós, primeiro, recebemos a informação de cada município, no sentido de perceber qual o monumento que será promovido ou destacado no decurso do festival, e aí, sim, escolhemos o quarteto que tem mais potencial para o espaço designado, que pode ser uma igreja ou uma sala de teatro”, frisou.

Os grupos escolhidos são oriundos de Portugal e de Espanha e englobam nomes como Isabel Ventura Quartet, Ghaveta, Concentuspertempora, Lulavei, Latitude Quatro, Claustrus Essemble, Pedro Andrea - Blue Legend, Lilian Raquel/Claudio Ribeiro Quartet, Bayan Quartet, Psychedelic Lemon, Quateto em Si, Abmiram Quartet e Portocello.

Rui Fernandes refere que este festival apresenta características únicas na Europa, já que se trata de uma rede de concertos regulares e com objetivo de servir as populações, contribuindo para que estas revisitem os seus monumentos.

Por seu lado, o presidente da CIM-Douro, Carlos Silva, adianta que, através da cultura, é possível promover um território e entendemos que este projeto tem dimensão e que encaixa no território duriense.

“Estamos como expectativas muito altas em relação à iniciativa aqui apresentada. Através da música, vamos promover o nosso património cultural e dá-lo a conhecer através do Festival Oito Mãos, Monumentos Com Música Dentro”, vincou o também presidente da câmara de Sernancelhe.

Para o autarca, sendo 2018 o Ano Europeu do Património Cultural, faz todo o sentido realizar um projeto desta envergadura.

“É importante continuar a dar vida aos nossos monumentos, e este festival é a razão para esse efeito”, observou o líder da CIM-Douro.

Esta comunidade intermunicipal agrega 19 municípios de quatro distritos: Bragança, Vila Real, Viseu e Guarda.

Comentários