Leandro Coutinho

Marcelo (a)provou os produtos da Vindouro

Presidente da câmara pediu ao governo melhoramentos na nacional 222


A abertura do certame foi com pompa e circunstância, onde nem o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, faltou. Com o seu jeito ímpar, o chefe de Estado foi a estrela e arrastou a multidão atrás de si, ao mesmo tempo que distribuía afetos e enaltecia as virtudes do Douro.

“Uma parte das minhas raízes são durienses. As terras de Basto ficam na transição entre Douro, Minho e Trás-os-Montes, por isso é com um carinho especial que hoje estou aqui”, realçou o presidente, enquanto saudava os presentes e bebia um trago de vinho regional.

A sua presença foi um marco importante, mas a dimensão da Vindouro foi de “excelência”, no seu todo. Com o intuito de dar a conhecer o que de melhor se faz na região, na feira estiveram largas dezenas de expositores e milhares de visitantes. Desde o vinho graduado, o azeite e os enchidos caseiros, tudo enriqueceu a festa Pombalina.

Apesar de inicialmente os bolinhos parecerem um produto deslocado dos princípios deste encontro, Catarina Fernandes surpreendeu quando divulgou que “o segredo desta doçaria são os produtos da terra. Uns têm vinho, outro tem maçã, e só quando os clientes degustam é que se apercebem. É ótimo surpreendê-los”, confidenciou a vendedora à VTM, enquanto enaltecia a importância deste tipo de acontecimentos na vila. “Correu tudo muito bem, o negócio foi bom e é importante que todos nos juntemos para dar a conhecer os nossos produtos”.

Em Poucos metros, a variedade de iguarias era enorme. Os curiosos olhavam e tocavam, enquanto que os convencidos puxavam da carteira para comprar, rendidos à qualidade. Com tanta azáfama, até a garganta ficava seca, mas isso não era problema, ou não estivéssemos nas terras “que têm o melhor vinho do mundo”. Quem o frisou foi Manuel Guedes, vendedor de vinhos no Porto. “Sou de Mirandela e tenho uma ligação forte com São João da Pesqueira, desde que me casei cá. Estou rendido a esta festa e acho extremamente importante porque as pessoas trabalham durante todo o ano nas vinhas e é de cada cepa que tiram o seu sustento. Apesar de todos conhecerem as qualidades divinais destes produtos, cada barraquinha mostra o que produz e impulsiona a economia familiar e local”, afirmou, visivelmente deslumbrado com o certame. 

O presidente da câmara, Manuel Cordeiro, referiu que é uma festa dedicada não só aos vinhos do concelho, mas também aos vinhos de toda a região. “Este evento pretende divulgar os nossos produtos e mostrar o que de bom temos para oferecer”. 

Adiantou que este certame “é uma obrigação, é um hino ao trabalho de todos os homens e mulheres deste setor”, frisou o autarca, que não esqueceu os vitivinicultores que debaixo de sol e chuva tratam das vinhas.

Também o ministro da economia, Manuel Caldeira Cabral, parabenizou a organização e teceu vários elogios à iniciativa. 

 

MANUEL CORDEIRO PEDIU MELHORAMENTO DOS ACESSOS

 

No decorrer da abertura da Vindouro, o presidente da câmara, Manuel Cordeiro, frisou a necessidade de melhorar as acessibilidades ao concelho de São João da Pesqueira, perante o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

“Terceiro-mundista”, foi assim que o autarca classificou a Estrada Nacional 222, acrescentando que “põe a vida das pessoas em risco e prejudica a economia do meu concelho”, destacando o elevado trânsito comercial e de turismo que circula diariamente na referida via de acesso, sem condições de segurança nem comodidade.  

A par desta reivindicação, a falta do Centro de Saúde, do Tribunal e de apoios aos setores produtivos regionais veio à tona. “Há uma necessidade de valorizar estes produtos, o vinho, a maçã, o azeite”, começou por alertar, destacando a margem de progressão que ainda existe. “Estes produtos são de elevada qualidade, de excelência, e o preço deve refletir isso, como acontece na Europa. Há margem de crescimento, mas não há condições. Isso só o governo pode assegurar”, não esquecendo que estavam na vila mais antiga de Portugal e num dos concelhos com maior área naquilo que é património da humanidade. 

Aquando da sua intervenção, o ministro da Economia lembrou que em 2017 “tivemos um recorde de exportações de vinhos desta região, quer de Vinho do Porto quer de vinhos de mesa do Douro”, reforçando que “temos estado a fazer um esforço na valorização e internacionalização dos produtos. Também “o Turismo de Portugal tem feito um grande esforço na região, ao trabalhar com as caves, quintas e projetos de enoturismo”, evidenciando do programa “Valorizar”.

Declarações

Manuel Cordeiro, presidente da CM S. J. da Pesqueira

“Este certame é um hino a todos os homens e mulheres que trabalham no setor vitivinícula” 

 

 

 

Catarina Fernandes, vendedora 

“Uso produtos locais para os meus doces e é ótimo surpreender os clientes com o que de melhor temos aqui”

 

 

 

Manuel Guedes, visitante 

“Esta festa é importante para dignificar o trabalho que estas pessoas têm durante o ano”

Comentários