Levi Leandro

SCVR/FC “Bolanarede” ou bola para fora

Francisco Carvalho, apesar de convidado várias vezes pela comunicação social de Vila Real falada e escrita, resolveu dar a 1ª entrevista a um site “Bolanarede”.


Pela forma como aparece transcrita constata-se que é dele, residindo aí o problema, porque são proferidas várias inverdades umas por ignorância, outras propositadas e um desconhecimento enorme da história do clube.

Em relação à história do clube só lhe vou lembrar alguns bons jogadores que foram do SCVR para clubes primodivisionários, alguns deles de seleção e campeões nacionais, Nóbrega, Fraguito, Amaral, Costa, Vítor Cabral, Vítor Nóvoa Rui Vieira etc.

Disse FC, em… “2014, a dívida do clube era de 99 mil euros e antes das eleições, apresentaram-nos uma dívida em assembleia geral de 299 mil euros, mas na realidade a dívida era 475 mil euros, empenharam o clube em cerca de 370 mil. Havia aqui má gestão e nos oito meses que esta direção está em função, posso lhe dizer que já abatemos/ renegociamos, à divida cerca de 156 mil euros”. Mais uma afirmação falsa propositada, o passivo em 2014 em documento passado pela Fornima, empresa que fazia a contabilidade do SCVR era de 369818,23€, sendo este o único documento válido, que está na posse de vários elementos da geringonça. Quanto ao passivo de 2017 de 299 000€ que apresentaram em Assembleia, FC, aprovou e não vale a pena comentar…. Ao fazer a afirmação que o passivo aumentou em 4 anos 370 000€, revela incompetência e má fé, desafiando-o, a comprovar perante os sócios na próxima A.G. se for capaz. Quanto ao passivo de ser 475000€, o senhor ou está mal assessorado, ou então sou obrigado a concluir citando um ditado popular, “burro velho não aprende línguas” …

Continuando FC …. “Mais nestes últimos quatro anos. Por exemplo, em 2014, os jogadores eram quase todos de Vila Real e tudo português”. Ora não é verdade 45% dos jogadores inscritos, eram estrangeiros e constituíam a base da equipa principal, quanto a serem quase todos de Vila Real, é mais uma inverdade.” Em 2015/16, entrou para aqui um senhor a dirigir o clube, não era o presidente, mas sim o vice-presidente, que nem sabia o que era uma bola e o Vila Real passou a ter só estrangeiros…ele o VP, tinha contrato com uma empresa, onde lapidaram o clube completamente e foram dívidas atrás de dívidas.” Mais um conjunto de inverdades ditas com  ignorância, em primeiro lugar, eu fiz parte desta direção, o Presidente e 3 vice-presidentes, saíram dos órgãos sociais anteriores, não houve qualquer assinatura de contrato com nenhum empresário, quanto ao património que diz ser lapidado, tenha a coragem, seriedade e hombridade, se souber o que é, de dizer aos sócios qual foi.

Continuou FC... “saíram daqui jogadores como o Taofiq, o Hackman e o Bukia, em que o Vila Real recebeu zero”. Em relação aos jogadores demonstra mais uma vez ignorância e má fé, no caso do Hackman, o SCVR recebeu 750€ e aparecem refletidos nas contas que aprovou, em relação ao Taofik em virtude de ter sido jogador até 31/5/18 seria competência desta geringonça tratar do assunto, em relação ao Bukia, o SCVR não recebeu nada até hoje, mas esteja atento que ainda pode receber…

  Na equipa feminina FC referiu,” temos A e B, uma na nacional e outra que anda a jogar na aldeia com os miúdos.  A iniciativa já existia quando cá cheguei e esteve para acabar. Começamos com 20 atletas e hoje temos 40 e tal”.  O futebol feminino começou na direção presidida por Artur Ribeiro e com um bom trabalho feito pela Prof. Goreti, que começou do zero, caso acabasse era consigo, hoje há duas equipas, a da distrital (ALDEIA) e a do “Nacional” a importância que diz que dá, não é nenhuma pois as atletas são por si discriminadas em relação aos juniores, no pagamento das quotas (pagam mais 16€) e as que participam no campeonato da ALDEIA nem sequer tem treinador. Há atletas que tem abandonado o clube, que grande organização…, aliás desta palavra só parece conhecer as letras, não o significado.

  Para concluir, o assunto da luz (51300€) irá ser abordado na A. Geral, bem como o do autocarro, pois pelos vistos desde que foi adquirido já ouvi três preços, um em 7de dezembro, “o verdadeiro”, quando reuni com FC, outro em fevereiro que dobrou e outro anteontem que triplicou em relação ao 1º valor. Enfim transparência…. Se estiver interessado noutro autocarro igual, vem do mesmo local de origem donde veio esse, sendo de 2001, ao mesmo preço, “o verdadeiro”, o vereador do pelouro é meu amigo… e depois vende-o pelo terceiro preço, mas não ao SCVR

Comentários