GDC

INSTITUCIONAL

Os números da descida do Grupo Desportivo de Chaves

A mais recente experiência do Grupo Desportivo de Chaves no escalão máximo do futebol português durou três temporadas e culminou com o regresso ao segundo escalão, confirmado na derradeira jornada com um desaire às mãos do concorrente direto Tondela por cinco bolas a duas. 


Olhemos para os dados estatísticos do ano que culminou com a queda. 

 

No ano de regresso ao escalão máximo, o Desportivo terminou na 11ª posição da tabela, seis pontos acima da linha de perigo e uma campanha em que a possibilidade de relegação nunca chegou a estar realmente em cima da mesa. Na época seguinte, a equipa ficou "às portas" da Europa ao terminar no sexto lugar menos quatro pontos que o Rio Ave e à data ninguém previa que a época seguinte culminasse com o regresso ao segundo escalão. A improbabilidade acabou por se confirmar. 

Daniel Ramos, Tiago Fernandes e José Mota. Nenhum dos três foi capaz de evitar um triste fim para o Grupo Desportivo de Chaves na Liga NOS 2018/19, prova disponível na secção de apostas futebol da Betfair. A luta pela manutenção foi até às últimas consequências e, na derradeira ronda, a equipa flaviense viajou até Tondela para disputar uma autêntica final com emblema local, ainda que essa espécie de decisão tivesse uma particularidade: ao Chaves bastaria um empate para fazer a festa da manutenção. No entanto, na deslocação às Beiras, a equipa flaviense caiu com estrondo, por cinco bolas a duas, assinando a própria sentença. 

32 pontos conquistados em 33 jogos, oito vitórias, outros tantos empates, 17 desaires, 35 golos apontados e 52 sofridos. Só Nacional (17º) e Feirense (18º) venceram menos vezes que o Grupo Desportivo de Chaves na Liga NOS 2018/19, sendo que com relação às derrotas, para além dos dois emblemas citados, só o Marítimo (18) perdeu mais vezes que o Chaves. No que toca ao número de golos marcados, o Chaves encontrou os caminhos para as redes adversárias em 34 ocasiões, mais que Nacional (33), Feirense (27), Vitória de Setúbal (28), Marítimo (26), tantas quanto o Boavista (34) e apenas menos cinco que o Moreirense (39), conjunto que chegou a lutar pela Europa. Defensivamente, só Nacional (73), Feirense (64) e Portimonense (59) sofreram mais vezes. 

 

 

Das oito vitórias conquistadas pelo Chaves na Liga  NOS 2018/19, quatro foram conquistadas em casa e outras tantas a jogar longe do seu terreno. No Municipal Engenheiro Manuel Branco Teixeira, curiosamente, o Chaves venceu três emblemas já citados em virtude de recordes negativos na Liga NOS 2018/19: Portimonense (2-0), Tondela (2-1), Marítimo (1-0) e Nacional (4-1). Já fora de portas, para além de ter repetido o triunfo frente ao Portimonense (0-1), o Chaves venceu o Boavista (1-2), o Desportivo das Aves (0-1) e o Moreirense (0-1). 

Em termos absolutos, o Chaves perdeu 53 por cento dos jogos que disputou na Liga NOS 2018/19, marcou em 65 por cento dos jogos que disputou e sofreu golos em 76 por cento. O melhor registo correspondeu a duas vitórias consecutivas, não conseguiu estar mais que quatro jogos sem perder e a pior sequência correspondeu a uma série de 11 jogos sem vencer. 

 

Comentários