Adérito Silveira

Universidade Sénior de Vila Real: Polo de Vida

Alguém disse que “mais importante do que acrescentar anos à vida é proporcionar vida aos anos”.


Se as pessoas forem capazes de ter uma perspetiva deste tipo, então todas as iniciativas que promovam uma qualidade de vida e autonomia, são linhas de força a adotar.

Sabe-se que a esperança de vida no mundo cresceu significativamente. A ocupação dos tempos livres em pessoas com mais idade é, pois, um imperativo. Tratá-las como improdutivas ou incapazes é um desrespeito, porque vergonhosamente falso. 

As Universidades Seniores são esses lugares que oxigenam a vida de cada um pelo proporcionar de convívios e experiências. A Universidade Sénior de Vila Real, tem sido exemplo de um saber aliar as suas atividades curriculares à multiplicidade de interações culturais abertas à comunidade, em que a participação de alunos e professores tem funcionado de forma harmoniosa, dissipando-se tibiezas e preconceitos. Os vários órgãos diretivos têm sabido conciliar com competência aspetos curriculares com ofertas complementares de conferências, concertos, saraus culturais, visitas de estudo, exposições de fotografia, pintura, apresentações de livros, etc… 

Estas iniciativas têm permitido conviver, partilhar e dar a conhecer o que se passa na universidade, ao mesmo tempo, mostrar que a desagregação das famílias numa sociedade virada para a produtividade e os excessos, não pode ser encarada por alguém que estupidamente quer ver nos mais velhos o bode expiatório dos males estruturais que dificultam a mudança das sociedades para melhor. 

A idade da reforma é a ideal para se depurar o sentido da vida e desbravar o reino das virtudes. Ela revela-se como uma oportunidade para reaprender e reapreciar o futuro numa perspetiva educativa, sábia e conciliadora graças à disponibilidade de tempo para se realizarem velhos sonhos ou iniciar novos projetos de aprendizagem e formação. 

As questões ligadas ao envelhecimento – físicas, psicológicas e sociais – são um fator perturbante, agravado por um sem número de estereótipos que urge combater e destruir. 

Na Universidade Sénior de Vila Real, vive-se uma vida apaixonada pelos diferentes saberes; presencia-se a constatação emergente dos alunos fazerem bem o que têm para fazer, procurando corresponder às performances de exigência de cada disciplina. O amor assente no respeito pelo que se faz é evidente quando se olha para o universo interior de cada um e se lhes vê estampada a vivacidade dos olhares. 

As várias disciplinas que a universidade oferece têm-se revelado como representações de desejos e felicidade, fornecendo o oxigénio necessário aos alunos despertando-lhes sinergias, mas sobretudo forças anímicas saudáveis.

Esta universidade tem sabido promover a integração e formação de pessoas cuja idade não saciou a permanente sede do saber nem o irrefreável desejo de liberdade. Também eu tenho sentido esse acumular de forças tonificantes por ter convivido tão de perto com gente que tanto me tem ensinado, reforçando em mim a importância do sentido da vida e o prazer do fruir das alegrias e sentimentos de partilha.

  Todos podemos contribuir para ajudar a sociedade a mudar preconceitos, a envolver as pessoas de mais idade a exponenciar conhecimentos, a encorajar comportamentos passíveis de estimular atitudes, em suma: a reconhecer no outro capacidades e valores – independentemente da idade.

As universidades seniores surgiram como fontes libertadoras de angústias e de anseios que nos dias de hoje matam e dilaceram pessoas que já fora do mundo do trabalho não sabem ocupar de forma salutar o tempo. Tempo que implacavelmente corre veloz para o abismo da vacuidade e do desligar da vida.

Ficamos a saber que aprendemos melhor com as pessoas que nos amam. Fazemos melhor com quem gostamos de estar. E que nunca nos fuja o sonho das nossas vidas em sermos felizes convivendo com os outros… Assim:

– Nenhuma noite é tão longa que não venha a terminar numa bela e doce madrugada!

Comentários