João Vilela

EDITORIAL

A comunicação e a democracia

Sábado, 9 de novembro, A Voz de Trás-os-Montes completa 72 anos, enquanto título de imprensa regional. É uma data marcante, se tivermos em conta as dificuldades porque passam os órgãos de comunicação, não só em Portugal, mas no mundo. 


A comunicação social está em constante transformação, a evolução tecnológica veio revolucionar todo este setor. Essa mudança levou muitos meios a encerrar portas, por dificuldades várias, entre elas a subsistência e a migração da publicidade para outras plataformas, nomeadamente as digitais. Também a falta de meios capazes de conseguir acompanhar as exigências tecnológicas levaram a entraves num setor que, por muito que custe dizê-lo, não tem o respeito que granjeava há uma década. Todas estas contingências limitam a ação e a independência dos meios, algo preocupante se considerarmos que a imprensa livre é um garante da democracia.

O antigo diretor do jornal francês “Le Monde”, Edwin Plenel, dizia em maio que “a democracia não é uma realidade imóvel e estanque, mas uma promessa todos os dias renovada e cuja manutenção e desenvolvimento dependem, em grande parte, de um jornalismo forte e independente”. Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, é um defensor da comunicação social e defende que “sem comunicação forte não há democracia forte”. 

É, pois, importante repensar a comunicação social e o caminho que está a seguir, de forma a que daqui a alguns anos não seja tarde de mais. 

A Voz de Trás-os-Montes, mesmo com as dificuldades conjunturais, continuará a informar com rigor e independência. Mantemos, também, a aposta em novos conteúdos, formatos inovadores e novos projetos de forma a assegurar a independência económica do jornal e que isso seja um reflexo do trabalho que desenvolvemos diariamente. 

Em época de aniversário, algo que podemos assegurar, é que o ano de 2020 trará várias novidades nas plataformas (papel e digital), com objetivo de oferecer aos leitores um produto jornalístico moderno e diferenciado.

Comentários