MF

Mil euros para natalidade para ajudar a travar “sangria” demográfica

A Câmara de Sabrosa implementou um apoio de mil euros à natalidade que vai abranger 56 crianças nascidas entre 2018 e 2019 e pretende ajudar a estancar “a sangria” demográfica, disse hoje o presidente do município.


Os primeiros 36 beneficiários receberam o incentivo hoje, durante uma cerimónia que decorreu na vila de Sabrosa, concelho do distrito de Vila Real.

O choro e os gritos que se ouviram das crianças são, para o autarca Domingos Carvas, “um alerta para o Interior”.

“Esta é uma medida para ajudar a estancar a sangria que o Interior sofre”, afirmou aos jornalistas.

A medida está em vigor desde o dia 31 de outubro de 2019, visa apoiar os nascimentos ou adoções no concelho de Sabrosa com um subsídio, de prestação única, no valor de mil euros e tem retroativos a 01 de janeiro de 2018.

Para usufruir do incentivo, as famílias têm de residir efetivamente no concelho há, pelo menos, dois anos e estar também recenseadas em Sabrosa.

“Este presente vem na hora certa”, afirmou Márcia Rocha, com 30 anos, e uma das mães presentes na cerimónia.

Márcia está desempregada e garantiu que o dinheiro vai ser aplicado em comprar “algo de útil” para o bebé.

“Não estávamos à espera deste incentivo, veio alegrar o nosso Natal. Vamos ter um Natal mais sossegado, mais recheado”, salientou Vítor Filipe, 31 anos e pai de uma menina de cerca de um ano.

Nuno Matos, 38 anos, disse que o “maior sonho” que tinha era ser pai. A filha nasceu em novembro e, agora em dezembro, recebeu um apoio que disse “ser uma ajuda importante” numa altura que tem muitas despesas com “leite e fraldas” para a menina.

“O dinheiro é para as necessidades do dia-a-dia dela”, sublinhou.

Domingos Carvas frisou que o incentivo à natalidade é uma medida de “todo o executivo municipal” e pediu às famílias para terem o cuidado de registar os recém-nascidos no concelho, ao invés de em Lordelo, onde está localizado o Hospital de Vila Real.

O autarca ressalvou que o município “não é dos que tem menos nascimentos”, mas, mesmo assim, a expectativa é que, “para o ano, seja melhor”.

“Quanta mais verba nós atribuirmos melhor, porque maior é o número de nascimentos e menor a sangria deste território”, salientou.

Os 56 beneficiários vão receber 56 mil euros.

Comentários