Arquivo VTM

Casino fechado temporariamente

Encerramento vai prolongar-se até 28 de março.


Como medida preventiva de propagação da Covid-19, o Grupo Solverde decidiu fechar temporariamente os casinos à sua responsabilidade (Espinho, Chaves, Vilamoura, Portimão e Monte Gordo) depois de ter pedido autorização ao Estado. 

Num comunicado enviado aos seus colaboradores, a administração do grupo referiu que “esta iniciativa se impunha na defesa dos superiores interesses dos seus colaboradores, clientes e saúde pública em geral”. 

A Solverde informou que o encerramento vai prolongar-se até 28 de março e garantiu que “desenvolverá todos os esforços para que esta situação tenha o menor impacto possível em todos os seus colaboradores”, recomendando que os mesmos “sigam as instruções dadas pela Direção Geral de Saúde”. 

A decisão surgiu já depois de o Sindicato dos Trabalhadores das Salas de Jogo (STSJ) ter pedido o encerramento “imediato de forma a contribuir para a preservação da saúde pública” e de um episódio de grande tensão que ocorreu no Casino de Chaves, na semana passada. “Três pagadores (“croupiers”) alertaram a direção do Casino para a oportunidade de não se efetuar o torneio do poker, uma vez que este jogo é realizado com todos os jogadores sentados à volta de uma mesa, em grande proximidade entre todos, e com muitas probabilidades de poder haver contágio”, relatou o presidente do STSJ ao Jornal de Negócios. A posição destes três trabalhadores “não foi bem aceite pela direção do Casino, e perante a recusa destes trabalhadores em pagar (função do “croupier”) o torneio, foi-lhes dito que, nesse caso, teriam de abandonar as instalações e que iriam ser alvo de uma falta injustificada”, afiançou Carlos Teixeira.

Em causa estão os Casinos de Espinho, Chaves, Vilamoura, Portimão e Monte Gordo, operados pelo grupo Solverde além dos Casinos de Lisboa, Estoril e Póvoa de Varzim cuja concessão está na esfera do grupo Estoril-Sol.

Com a decisão de encerramento das suas salas de jogo, a Solverde considera que está a “cooperar, deste modo, no esforço coletivo realizado pelo Governo, autoridades e população portuguesa em geral contra a pandemia do novo coronavírus/Covid-19”, explica o grupo liderado por Manuel Violas.

Comentários