Márcia Fernandes

Três milhões de euros para promoção da mobilidade na UTAD

Esta semana começaram as obras de construção da ciclovia, que vai ligar a maior academia transmontana ao centro histórico.


Já arrancaram os trabalhos para a construção da ciclovia que vai ligar a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) ao centro da cidade. 

A ciclovia, com uma extensão superior a seis quilómetros, faz parte do projeto de promoção da mobilidade sustentável da UTAD, que engloba ainda a melhoria dos trajetos pedonais, como passeios e trilhos, num percurso de 10 quilómetros, num investimento total de três milhões de euros. 

Segundo Amadeu Borges, responsável pelo projeto, a ciclovia irá interligar o centro histórico ao antigo canal ferroviário, passando pela zona dos equipamentos desportivos, parque de campismo, centro de ciência viva, parque Corgo e teatro municipal. 

Desta forma, as residências universitárias ficarão ligadas à cidade e à universidade, além da criação das redes internas de ciclovias e alteração da mobilidade no campus, favorecendo modos mais suaves de deslocação, com a criação do primeiro espaço de experimentação de uma rede de ciclovias. 

A parte exterior de ligação da ciclovia à UTAD será concretizada pela Câmara Municipal de Vila Real, através do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), cujas obras já são bem visíveis na zona da Estação, onde irá ser criada uma praça na entrada do Colégio da Boavista, com ligação à ciclovia, à ecovia do ramal da linha do Corgo e às residências universitárias da Alameda de Grasse.

Depois de a UTAD ter concentrado toda a oferta universitária no campus, o reitor Fontainhas Fernandes revelou à VTM que estão a decorrer várias intervenções na academia para a transformar numa eco universidade. “Cada vez mais é necessário pensar nas pessoas e na sustentabilidade ambiental, por isso estamos a mudar todo o parque edificado, com intervenções ao nível das coberturas, no sistema de iluminação e de aquecimento, que será mais amigo do ambiente”, frisa, adiantando que tudo isto vai permitir uma redução das emissões e “baixar em cerca de 50 por cento” a fatura energética. 

O reitor acrescentou que o projeto da ciclovia “é único a nível nacional”. “O objetivo passa por abrir mais a universidade à comunidade e à cidade. É um exemplo nacional não só do ponto de vista ambiental, mas também de abertura, de forma a romper com os muros da sociedade”. 

A obra tem um prazo de execução de 18 meses e é financiada através do PEDU.

 Fontainhas Fernandes

 Reitor da UTAD

  "O objetivo passa por abrir mais a universidade à comunidade e à   cidade”

 

 

 Amadeu Borges

 Professor da UTAD

"É um investimento de três milhões de euros na promoção da   mobilidade sustentável"

 

 

Comentários