Ernesto Areias

Galego, memória e afeto (I)


A leitura de um texto do amigo Alfredo Ferreiro, poeta da Corunha, sobre a afirmação do galego, suscitou-me algumas reflexões.

Em 1887, o médico judeu Ludwik Lejzer Zemenhof criou o Esperanto, língua artificial. Não era sua intenção substituir os outros idiomas, mas antes difundir uma língua franca universal de negócios.

Passado um século e meio o Esperanto não vingou, a meu ver, por três razões: 

Em primeiro lugar, não havia memória da língua. A eufonia do Esperanto era estranha aos candidatos a falantes. A segunda razão por não haver literatura em Esperanto, registo fundamental para a preservação lexical. O terceiro obstáculo tem a ver com a identidade, impossível perante uma língua artificial.

Ora nada disto sucede com o galego, língua centenária que está na origem do português moderno.

Parece-me haver um dilema que terá de ser resolvido pelos galegos, Academias, Universidades, Associações de escritores e pelos falantes da língua, que a usam com amor e pilar de identidade.

Um das opções passa por assumir que o galego é língua portuguesa com variações como existem nos países lusófonos. Falamos hoje no português do Brasil, de Angola, de Cabo Verde… a que podemos acrescentar a variante da Galiza. É esta, grosso modo, a visão dos integracionistas. 

Desta forma, o galego, em vez de confinado a 2,7 milhões de falantes, passará a integrar um espaço linguístico intercontinental com 260 milhões distribuídos por dez milhões de kms 2 onde existe literatura vastíssima.

Uma segunda opção será a castelhanização definitiva do galego com o risco evidente de conversão de uma língua centenária, numa espécie dialectal sem a importância que lhe é devida.

 Falar hoje em sentimentos anti-castelhanos ou anti-espanhóis e anti-portugueses na península Ibérica, é descer às profundezas da alta Idade Média e semear os campos de torneios e lutas entre senhores feudais e os seus vassalos. O bom relacionamento entre Espanha e Portugal, a forma como vivemos as crises, os dramas de um lado e de outro da fronteira, as viagens permanentes e o número crescente de falantes bi-lingues, converte os dois países em irmãos siameses ligados por rios, montanhas e o horizonte sem falar das vias de comunicação.

A importância do Galego, enquanto língua riquíssima, irmanada com o português deve ser objeto de estudo de linguistas, historiadores e académicos em geral, sem a traição de decisões políticas de afirmação de soberania. Como a língua não se impõe por decreto, a palavra dos falantes é fundamental.

Mas o estigma e a supressão curricular de uma língua esses sim, conseguem-se por decreto.

Matar uma língua equivale a matar a memória do povo; uma espécie de genocídio da memória e da cultura.

Comentários