Ernesto Areias

Galego, memória e afeto (II)


Ainda sobre a questão do galego, enquanto variante da língua portuguesa, cumpre acrescentar alguns subsídios de ordem pragmática.

Foram, até hoje, identificadas no mundo cerca de onze mil línguas, sabendo-se que muitas são faladas por poucos milhares de pessoas, o que as exclui do estudo e investigação em escolas e universidades. Essa falta de estudo prende-se com razões institucionais e de soberania e, de modo particular, com razões económicas em virtude de estarem fora dos negócios internacionais.

Neste mundo global, onde a comunicação e as pessoas circulam a velocidades nunca antes imaginadas, poderá desenhar-se a tendência para que apenas as cerca de vinte línguas mais expressivas, em termos de negócios, sobrevivam chamando a si a quase totalidade dos falantes.

Esses sinais começam na UNESCO, na ONU e em outros organizações internacionais que definem quais as línguas que são admitidas no seu espaço para comunicar. Por essa razão, os estudiosos apontam para o desaparecimento de mais de metade dessas onze mil línguas até ao final do século. 

É neste enquadramento de esperantização das línguas mais expressivas  - designo esperantização a circunstância de reduzirmos as línguas internacionais e de negócios a cerca de duas dezenas -  coloca desafios urgentes às que têm menos  falantes em termos relativos.

É urgente que as universidades, academias e linguístas cheguem a um acordo sobre o destino que pretendem dar ao galego. Entre a pujança que pode resultar da sua afirmação como variante da língua portuguesa e a agonia lenta resultante da castelhanização em curso, alguma decisão deverá ser tomada.

Sobre os linguístas e académicos cumpre assinalar, que lhes sobeja em sabedoria o que falta, não raro, em pragmatismo quando o tempo urge.

Merecem um profundo respeito a obra literária de Rosalia de Castro, a extensa literatura de língua portuguesa e galega, das mais expressivas do mundo e grandes homens que dedicaram muito do seu esforço e estudo à defesa do galego, como sucedeu com José Luis Rodriguez, Carvalho Calejo e muitos escritores e universitários que tudo têm feito pela cultura galega.

Estamos condenados a destruir as fronteiras medievais criadas por senhores feudais ao sabor de interesses e direitos sobre a terra e os vassalos. Da fronteira que divide Trás-os-Montes e o Minho da Galiza apenas deverá restar a soberania dos países peninsulares, devendo tudo o mais resvalar para um abraço de fraternidade, de partilha entre centros de investigação e universidades, mundo empresarial e inovação.

Quando Miguel Torga referiu no seu Diário “Ai do transmontano que não transformar o pé em garra” aludindo às dificuldades, aos declives e às rugas da terra, não deixou de incluir os galegos e os minhotos com quem partilhamos uma ancestralidade comum.

Esta sim, é a nossa pátria antes da pátria.

Comentários