UCC Mateus

SAÚDE ENTRE LINHAS

Prevenção de acidentes

A promoção da segurança e prevenção dos acidentes nas praias, piscinas, albufeiras, rios e parques aquáticos deve ser uma prioridade. 


A maior parte dos acidentes acontece devido à má avaliação dos riscos. 

No mar, rios, lagoas, albufeiras, piscinas podem acontecer afogamentos, que são uma das principais causas de morte. 

A melhor forma de prevenir passa por ter atenção aos seguintes aspetos: cumprir as regras de segurança na praia e piscinas. Em piscinas privadas, colocar uma vedação à volta e um trinco de fecho automático, de forma a impedir o acesso das crianças à água; vigiar as crianças sempre que se encontrem perto da água, estar atento às brincadeiras e colocar braçadeiras ou coletes àquelas que não sabem nadar; nunca deixar uma criança que ainda não é autónoma sozinha durante o banho, em casa, na praia ou na piscina; na prática de desportos aquáticos e de atividades de recreio, usar sempre o colete de salvação e outros dispositivos de segurança e ainda assim os adultos devem estar sempre vigilantes; frequentar praias vigiadas é muito mais seguro por terem os sinais das bandeiras e as instruções dos nadadores salvadores; não entrar de repente na água após longos períodos de exposição ao sol; evitar nadar sozinho, não se afastando demasiado e nunca nadar contra a corrente; se tiver uma cãibra, respire fundo, coloque-se de costas e bóie até que possa nadar para a margem.Os mergulhos de cabeça podem resultar em lesões vertebro-medulares. A maior parte dos acidentes ocorre por não ter sido calculada devidamente a profundidade da água nos locais de mergulho; as piscinas devem ter um registo lateral do nível de profundidade; os saltos de pontes, árvores e precipícios estão associados a um risco acrescido de traumatismos; os braços esticados não impedem que bata com a cabeça; as quedas de pés também podem causar acidentes medulares; saltar de varandas para a piscina, nomeadamente de hotéis, é uma prática que envolve riscos para na saúde.

Comentários