Carolina T. Lopes

“Disseram-me que estava sujeita a aparecer morta”

O testemunho de uma vítima de violência doméstica que, sem medo, decidiu contar a sua história e experiência, para incentivar outras mulheres e/ou homens a denunciar os maus tratos a que estão sujeitos e mostrar que existe outro caminho, o da felicidade


“Maria” namorou 10 meses com aquele que, posteriormente, viria a ser seu marido. Estiveram casados 27 anos. Um casamento que, para “Maria”, se tornou um pesadelo assim que os papéis foram assinados. “As agressões começaram logo no início do casamento”, começou por contar. 

Foram anos de agressões físicas, ofensas verbais, abusos sexuais e ameaças com “uma arma apontada à cabeça”, até que um dia, sensivelmente há cinco anos, “Maria” foi parar ao hospital depois de o seu companheiro de longa data a ter agredido. 

“Foi aí eu disse que não queria mais isto para mim”, refere e, embora o marido lhe tenha pedido perdão, como fazia constantemente, “Maria” decidiu pôr um ponto final naquela situação. Apresentou queixa, prestou declarações, mas, segundo ela “ninguém fez nada”. Resolveu, então, arranjar ela uma solução.

 

Se já é assinante faça aqui o seu login       ou       Clique aqui para ver OS EXCLUSIVOS da VTM

ASSINE AGORA A VOZ DE TRÁS OS MONTES

Acesso exclusivo e ilimitado
à edição digital
(site + e-paper)

Comentários