Márcia Fernandes

Comerciantes não sabem até quando vão resistir no meio da “incerteza e abandono”

O negócio já não corria bem, no entanto, lá se ia aguentando. A pandemia veio agravar em muito a vida do pequeno comércio, que vive momentos de incerteza e o futuro é uma incógnita, perante o agravamento da situação epidemiológica. Apesar do receio, muitos esperam que a época natalícia traga as pessoas ao comércio local, para se evitar aglomerados de pessoas


Obras, pandemia e, consequentemente, falta de gente, que augura um futuro incerto para a maioria dos comerciantes da zona histórica da cidade. 

Com a pandemia a agravar-se de dia para dia, o regresso à normalidade faz-se lentamente, mas o problema não é novo, já vem de longe, como nos conta Maria Rosa, que tem uma loja na rua Miguel Bombarda, perto do sinaleiro. “A retoma está lenta, como sempre”, lamenta

 

Se já é assinante faça aqui o seu login       ou       Clique aqui para ver OS EXCLUSIVOS da VTM

ASSINE AGORA A VOZ DE TRÁS OS MONTES

Acesso exclusivo e ilimitado
à edição digital
(site + e-paper)

Comentários