DR

Apoio alimentar a 30 produtores de gado afetados pelo fogo

O município de Torre de Moncorvo apoiou 30 produtores de gado da União de Freguesias da Cardanha e Adeganha, que foram afetados pelo incêndio que deflagrou em agosto naquele território.


“Distribuímos 165 de fardos de aveia com grão, com cerca de 300 quilos cada, pelos criadores de gado da União de Freguesia da Cardanha e Adeganha, que sofreram prejuízos avultados após o grande incêndio que lavrou nas quatro aldeias daquela freguesia no início de agosto”, concretizou à Lusa, Nuno Gonçalves.

Numa primeira fase, a Direção Regional de Agricultura do Norte (DRCN) ajudou a suprimir as primeiras dificuldades de alimento para o gado sentidas pelos produtores de pequenos ruminantes (cabras e ovelhas).

“Há produtores que começaram a sentir dificuldades neste outono devido à falta de alimento para o gado, porque houve uma grande área de terreno que ardeu e [o fogo] destruiu áreas de pasto e campos de produção de outros alimentos, e, por esse motivo, estamos a fazer esta distribuição de fardos de aveia com grão para ajudar a manter as explorações”, vincou o autarca, acrescentando que houve produtores pecuários que “praticamente” tudo perderam com o passar das chamas.

“As áreas das quatro aldeias que integram esta União de Freguesias ficaram praticamente despojadas de alimentos para os animais e os produtores não tinham para onde se virar, já que os prejuízos do incêndio de agosto foram elevados”, sustentou o autarca.

 incêndio, que deflagrou em 6 de agosto, consumiu mato, florestas e terrenos e foi considerado pelas autoridades de proteção civil e municipais “como o maior incêndio florestal da época de 2020, no distrito de Bragança”.

Este incêndio chegou a cercar as populações e destruiu alguns palheiros, bem como outros imóveis agrícolas nas proximidades de Estevais.

Comentários