Quinta-feira, 30 de Maio de 2024
No menu items!

Novos máximos diários registados este sábado

-PUB-

O anterior máximo diário de casos de infeção tinha sido registado a 20 de janeiro (14.647) e Portugal ultrapassou hoje a barreira dos dez mil mortos desde o início da pandemia, em março do ano passado.

O boletim epidemiológico de hoje revela também que estão internadas 5.922 pessoas, mais 143 do que na sexta-feira, das quais 720 em unidades de cuidados intensivos, ou seja, mais cinco.

Estão hoje ativos 162.951, um aumento de 5.291 casos nas últimas 24 horas.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 10.194 mortes associadas à covid-19 e 624.469 infeções com o coronavírus SARS-Cov-2.

As autoridades de saúde têm em vigilância 206.232 contactos, mais 5.502 relativamente ao dia anterior.

O boletim regista ainda que mais 9.768 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 451.324 o número de recuperados desde o início da pandemia.

Relativamente às 274 mortes registadas nas últimas 24 horas, 122 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, 65 na região Centro, 55 na região Norte, 23 no Alentejo e nove no Algarve. Não houve registo de mortos nas regiões autónomas de Madeira e Açores.

A região Norte registou mais 4.020 novas infeções nas últimas 24 horas e, desde o início da pandemia, já contabilizou 280.156 casos e 4.020 mortes.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções (mais elevado entre os 40 e os 49).

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 281.487 homens e 342.791 mulheres, referem os dados da DGS, segundo os quais há 191 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 5.313 eram homens e 4.881 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguindo-se a faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

 

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

VÍDEOS

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS