Quarta-feira, 6 de Julho de 2022

“O Papa morreu? Eu não queria matá-lo!”

1981. Dia 13 de maio. O Papa João Paulo II dirigia-se, em automóvel, para a habitual audiência das quartas-feiras. A Praça de São Pedro estava cheia de gente de todas as longitudes. No dia seguinte, a manchete do “Jornal de Notícias” era: “Três tiros contra o Papa”. E acrescentava: “É turco e foi preso o autor do atentado. Está ligado à extrema-direita”

O mundo sobressaltou-se. Do ocidente a leste. Um pretenso movimento político da Arménia reivindicou o atentado. Mas essa hipótese foi desmentida pela polícia italiana especializada em terrorismo, que não deu o mínimo crédito a essa informação. Afinal, o autor era um homem, turco, de 23 anos de idade. Chamava-se Mehmet Ali Agca e fora já condenado na Turquia por assassinato.

Artigo exclusivo PREMIUM

Tenha acesso ilimitado a todos os conteúdos do site e à edição semanal em formato digital.

Se já é PREMIUM,
Aceda à sua conta em

-PUB-

APOIE O NOSSO TRABALHO. APOIE O JORNALISMO DE PROXIMIDADE.

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo regional e de proximidade. O acesso à maioria das notícias da VTM (ainda) é livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta A Voz de Trás-os-Montes e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente e de proximidade, mas não só. É continuar a informar apesar de todas as contingências do confinamento, sem termos parado um único dia.

Contribua com um donativo!

Mais lidas

A Imprensa livre é um dos pilares da democracia

Nota da Administração do Jornal A Voz de Trás-os-Montes

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Subscreva a newsletter

Para estar atualizado(a) com as notícias mais relevantes da região.